Postagens

Versículo da semana:

VERSÍCULO DA SEMANA:
"E por que me chamais: Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu vos digo?" (Lucas 6:46)


Frase do momento

Frase do momento:

"Não é minha intenção atacar o denominacionalismo do cristianismo como errôneo. Eu somente quero dizer que para que o corpo de Cristo encontre uma efetiva expressão local, a base de comunhão deve ser verdadeira. E esta base é a relação de vida dos membros com o Seu Senhor e a sua desejosa submissão a Ele como o Cabeça. Tampouco estou pleiteando por aqueles que irão fazer uma seita carnal daquilo que poderia chamar de 'localismo', isto é, a estrita demarcação de igrejas por localidades. Porque tal pode ocorrer facilmente. Se o que estivermos fazendo hoje em vida se tornar amanhã um mero método, tal que seu próprio caráter alguns dos Seus forem excluídos, possa o Senhor ter misericórdia de nós e quebrar tudo!" (A Vida Normal da Igreja Cristã, capítulo 4. Grifo nosso)

14 de mar de 2011

Deixe Meu Povo Ir (Cap 2)

CAPÍTULO 2                                                                                                                                                            A SUBSTÂNCIA DA IGREJA



     
        Quando nos convertemos e começamos a pensar em traba­lhar junto com Deus para cumprir Seus propósitos eternos, primeiro precisamos receber Dele uma revelação. Precisamos gastar tempo em Sua santa presença. Precisamos subir "ao santo monte de Deus". É lá que percebemos o que está em Seu coração e é lá que compreendemos o que devemos construir e como fazê-lo. Sem esta revelação, é possível e até bem provável que muito do nosso tempo e energia seja gasto construindo algo que Ele não deseja.
Uma das coisas sobre as quais devemos ter certeza quando começamos a construir é sobre o tipo de materiais que devemos usar. Quando estamos construindo a habitação do Deus eterno, há normas específicas que precisamos seguir no que diz respeito aos materiais empregados. Não somos livres para usar qualquer tipo de elementos que consideramos apropriados. Se quisermos satisfazer o coração de Deus, precisamos seguir cuidadosamente o plano divino.
Por um lado, podemos facilmente construir com materiais naturais. As Escrituras chamam estas coisas de "madeira”, "palha" e "feno". Estes itens são representativos do que o ser humano pode fazer por si próprio. Por exemplo, um homem natural pode planejar, organizar, administrar e usar seus talen­tos "dados por Deus" para influenciar pessoas e até mesmo atrair seguidores.
Muitos homens e mulheres podem persuadir outros sobre sua "posição". Podem recrutar outros para se unir às suas fileiras. Podem dar conselhos, ensinar e até pregar sobre um grande número de assuntos. Podem fazer discursos interes­santes, poderosos e cheios de emoção. Estas e muitas outras coisas podem ser feitas pelo homem natural.
Já que o homem natural pode fazer todas estas coisas, é fácil fazer todas elas quando começamos a trabalhar para Deus. Especialmente se temos habilidades em algumas áreas, é muito natural pensar que podemos usar nossos recursos para ajudar a construir a casa de Deus. Mas, como a origem destas coisas é ter­rena e humana, elas realmente são apenas madeira, palha e feno. Não importa o quão impressionante seja a estrutura que esta­mos construindo. O que conta é o tipo de material que usamos na construção.
As Escrituras também mencionam outros tipos de materiais de construção: ouro, prata e pedras preciosas. Estes itens são representativos de materiais de origem divina. Eles não são as obras que os homens fazem para Deus, mas as obras que o próprio Deus faz por meio dos homens. Quando estamos cons­truindo com materiais divinos, não somos mais nós que estamos fazendo a obra, mas Deus que vive e Se move por meio de nós para cumprir Seus propósitos.
Muitos homens têm habilidades. Alguns podem construir uma choupana ou uma casa. Outros possivelmente poderiam construir um avião. Outros ainda são capazes de desenhar e construir espaçonaves ou computadores gigantes. Há coisas realmente notáveis que os homens têm construído.
Mas ainda há uma coisa que o homem não pode construir. Ele não pode fazer um ser vivo. Nenhum homem pode juntar célula com célula, conectar as várias células aos nervos, fazer ossos e músculos, vários órgãos específicos e fazer com que tudo viva e respire. Somente Deus pode dar a vida e fazer um ser vivo.
A casa de Deus, na qual Ele irá morar por toda a eternidade, é uma casa viva. Nós, o Seu povo, somos "as pedras vivas" desta casa (1 Pe 2:5). A casa de Deus não é uma estrutura física, estáti­ca, como a que construiria qualquer presidente ou rei na Terra. Ao contrário, é uma construção viva, com a Vida de Deus. É um tabernáculo vivo, que respira e se move. É um vaso no qual Ele pode ser visto e através do qual Ele viverá, Se moverá e Se expressará no Universo.
Já que nenhum homem pode fazer algo vivo, é claro que nós não podemos construir coisa alguma para Deus por nós mes­mos. O melhor que podemos fazer é trabalhar junto com Ele (1 Co 3:9). Seguindo a Sua liderança, momento a momento, e con­fiando plenamente em Seu poder, podemos ser usados por Ele para construir algo que Lhe agrada.
Mesmo se tivéssemos recebido a revelação do produto final, ainda assim, não teríamos a habilidade sobrenatural para fazer aquilo que vimos. Podemos receber uma visão divina. Podemos receber um vislumbre de Sua casa eterna. Mas nós somos e sem­pre seremos dependentes de Deus para fazer a obra em nós e por meio de nós. A revelação nunca nos faz capazes de fazer as coisas por nós mesmos. Em vez disso, como criancinhas, pre­cisamos andar de mãos dadas com o nosso Criador e cooperar com o que Ele está fazendo a cada dia.


DEUS DESEJA UMA NOIVA
"Então o Senhor Deus fez cair pesado sono sobre o homem e este adormeceu: tomou uma das suas costelas e fechou o lugar com carne" (Gn 2:21).
Aprendemos nas Escrituras que nosso Senhor está preparan­do uma Noiva para Si (Ap 21:2). No Velho Testamento, lendo sobre a criação de Adão e Eva, encontramos um quadro proféti­co referente à futura Noiva de Cristo. Ali podemos entender bem sobre o tipo de materiais que Deus quer usar. É dito que Adão foi criado "do pó da terra" (Gn 2:7). Ele foi feito de mate­rial comum, terreno.
Mas quando Eva, sua noiva, foi criada, Deus usou algo dife­rente. Eva foi feita de algo que saiu "do lado" de Adão. Nada mais foi acrescentado. Nenhum "pó", nenhuma madeira, folha, ou pedra foi usada. Deus usou apenas o que Ele havia retirado do lado de Adão para fazer sua noiva. Esta história antiga ainda nos fala hoje.
Assim como Adão foi colocado para dormir, a fim de que Deus executasse nele a primeira cirurgia para a retirada do material com o qual faria sua noiva, assim também Jesus "caiu adormecido" na cruz. Lá, o cirurgião assistente de Deus, o sol­dado romano, fez uma incisão no lado de Jesus e algo muito pre­cioso jorrou: sangue e água (Jo 19:34). O sangue e a água, repre­sentando a Vida derramada de Cristo, são as genuínas substân­cias que o Pai está usando hoje para construir uma Noiva, Sua Igreja. Assim como no caso de Eva, nada terreno ou humano pode ser acrescentado. Nenhum outro ingrediente pode ser usado. Somente a Vida de Jesus Cristo pode ser usada para edificar uma Noiva que o Seu coração deseja.


A VIDA DE DEUS
Já que a Vida de Jesus é a substância - de fato, a única subs­tância que podemos usar para construir apropriadamente a santa habitação de Deus - talvez seja bom gastarmos um tempo para investigar exatamente o que ela é. Embora alguns leitores possam já estar bem familiarizados com este assunto, para muitos será algo novo e muito importante.
No Novo Testamento, que foi escrito originalmente em grego, encontramos pelo menos três diferentes palavras gregas que são traduzidas por uma única palavra em português: "vida". Evidentemente, os gregos tinham uma cultura filosófica com uma compreensão mais rica e mais ampla da vida do que temos hoje. Então, eles usaram várias palavras diferentes para expressar essas idéias.
Neste momento, três palavras gregas vão ter a nossa atenção. Elas são "BIOS", "PSUCHÊ" e "ZOÊ". Estas três palavras são traduzidas por uma única palavra portuguesa -"vida", embora elas tenham significados bastante diferentes. Portanto, é importante conhecer o significado destas palavras e fazer a diferença entre elas enquanto lemos a Bíblia. Desta forma, podemos ter uma compreensão melhor do que a Bíblia está dizendo. Por favor, me acompanhe enquanto revemos os significados destas três palavras gregas.
A palavra BIOS parece ser a que mais se aproxima do que queremos dizer quando falamos "vida" em português. Inclui idéias como a duração de nossa vida, nosso trabalho ou susten­to, nossa conduta moral e nossa vida biológica.
A palavra PSUCHÊ geralmente significa nossa vida psi­cológica ou a vida de nossa alma. Isso inclui nossa vida emo­cional e nossos pensamentos. De fato, esta palavra é freqüente­mente traduzida por "alma" e é contrastada com o nosso espíri­to. Em Hebreus 4:12, lemos que uma das funções da Palavra de Deus é fazer uma clara e definida divisão entre nossa alma (PSUCHÊ) e nosso espírito.
A palavra grega ZOÊ é mais freqüentemente usada no Novo Testamento para se referir a um tipo de vida muito especial, a Vida de Deus. Os escritores do Novo Testamento escolheram esta palavra grega para expressar algo supremamente exaltado - a Vida do próprio Deus. Já que Ele é o único ser eterno do Universo, o único que nunca foi criado, Sua Vida é realmente algo muito especial.
É esta Vida sobrenatural que estava em Jesus Cristo (Jo 1:4). É esta Vida, sem princípio e sem final, que fluiu do Seu lado no Calvário. É esta Vida toda-poderosa e triunfante que Ele dá gra­tuitamente àqueles que crêem. E esta é a Vida genuína do próprio Deus, que Ele usa para construir Sua Igreja, Sua Noiva. Esse é o único material aprovado com que podemos construir a Sua morada eterna.


OUTROS MATERIAIS
Então, quando começamos trabalhar com Deus e construir Sua casa, devemos usar os materiais apropriados. Precisamos construir com a Sua Vida ZOÊ. Precisamos usar apenas esta substância. Nada mais precisa ser acrescentado. Nada mais, humano ou terreno, pode ser usado. Isto significa que nossas habilidades naturais estão excluídas.
Por exemplo, precisamos pôr de lado nossa habilidade para fazer com que as pessoas nos sigam. Nosso dom para influenciar pessoas e persuadi-las a fazer o que queremos também precisa ser desconsiderado. Nossa personalidade carismática, que fre­qüentemente usamos para encantar os outros e atraí-los para a nossa obra, é rejeitada. Nosso modo de manipular os outros politicamente; nossas técnicas de aparência para sermos amigos de todos e atraí-los para o nosso grupo; nossa presença autoritária que temos usado para impressionar as pessoas - todas essas coisas devem ser lançadas fora. Mais do que isso, nosso conhecimento, todas as coisas que aprendemos sobre "como" construir uma "igreja", devem ser descartadas.
Por que estas coisas devem ser descartadas? Porque elas têm origem na alma. Elas são uma expressão da nossa vida PSICHÊ e não uma revelação da Vida de Deus. Enquanto nossos talentos e habilidades são uma expressão de nossa vida natural, nenhum resultado sobrenatural pode acontecer.
Quando desejamos trabalhar junto com Deus e construir a Sua morada eterna, precisamos nos humilhar e nos esvaziar de todas as nossas idéias e planos pré-concebidos. Precisamos deixar de lado tudo o que aprendemos com as outras cons­truções meramente humanas. Na verdade, precisamos nos arrepender de tudo o que estivemos fazendo e que não passava de esforço humano e natural. Então precisamos aprender a cons­truir de acordo com Seu plano celestial. Como vimos, um aspec­to essencial deste plano é que nenhum material pode ser usado, além daquele que Ele providenciou e que é a Sua própria Vida sobrenatural!
Alguns poderão argüir que Deus, já que nos fez de uma certa maneira, com certas aptidões e talentos, certamente gostaria que usássemos estas habilidades naturais para a Sua glória. Entretanto, este não é o caso. Nada natural pode ser usado em Sua construção. Ele não irá morar em um Templo feito por nossas mãos, não importa o talento que você imagina ter. Sua construção de madeira, palha e feno pode ser bonita, mas não é a casa de Deus.
A questão aqui não é se temos ou não habilidades, mas: Quem está no controle destas habilidades? Quem está realmente fazendo a obra? Que "vida" está animando nossos talentos e habilidades? É verdadeiramente a Vida de Deus ou é o homem natural tentando trabalhar por Deus? Somos nós que estamos dando o melhor de nós para Ele ou é Ele Se movendo e fluindo por meio de nós?
Nada que seja natural dentro de nós pode ser usado por Ele, até que seja total e completamente quebrado por Suas mãos! Nossa confiança em nossa capacidade de fazer as coisas deve acabar totalmente. Nossas habilidades pessoais e qualificações não têm nenhum valor para Deus, enquanto elas estão sob o controle do homem natural. Enquanto é a nossa vida natural se expressan­do, o resultado só pode ser algo combustível.
Paulo, o apóstolo, antes de se converter, era um forte homem natural. Tinha muitas habilidades naturais. Então Deus traba­lhou em sua vida para quebrar a confiança que ele tinha em si mesmo. Depois de anos de experiência seguindo a Cristo, ele pôde escrever: "Porque, quando estou fraco, então, é que sou forte" (2 Co 12:10). E: "Porque nós também somos fracos nele, mas viveremos, com ele, para vós outros pelo poder de Deus" (2 Co 13:4). Ele cita, em nosso benefício, o que Jesus ensinou a ele: "Minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraque­za [humana]" (2 Co 12:9). As habilidades humanas freqüente­mente atrapalham a obra de Deus, mas, nas fraquezas humanas, Ele é glorificado, porque nelas pode exibir o Seu poder.


OUTROS TIPOS DE ANIMAIS
Antes de Deus fazer uma noiva para Adão, Ele e Adão exa­minaram juntos todos os animais, e Adão foi lhes dando nomes. Mas, quando lemos essa passagem cuidadosamente, em Gênesis 2:18-20, vemos que aquela não foi apenas uma sessão para denominar animais. Deus e Adão estavam procurando por algo específico. Estavam procurando uma noiva para Adão (vs. 20). Mas nenhuma pôde ser encontrada.
Embora os pássaros e outros animais fossem, sem dúvida, graciosos, felpudos, amigáveis e atraentes, cada um a seu modo, eles não tinham o mesmo tipo de vida que Adão tinha. Eles não eram da mesma espécie que ele. Portanto, nenhum deles se qua­lificava para ser sua esposa. Eles foram rejeitados. Do mesmo modo, o próprio Deus só pode se casar com alguém que tenha a mesma Vida e a mesma natureza que a Sua. Isto significa, assim como no caso de Adão, que a Noiva de Deus deve ser construí­da com aquilo que sai do Seu lado.
Talvez, o grupo com o qual você se reúne seja bem sucedido. Pode ser que muitas pessoas sejam atraídas pelo seu trabalho. Possivelmente, seus programas diferenciados para jovens, solteiros, casais etc., sejam bem freqüentados. Pode ser que sua perícia (ou a de sua esposa) em organização e gerenciamento seja espantosa, e você esteja conseguindo alcançar suas metas.
Talvez, suas realizações aparentes estejam atraindo a atenção dos outros, e o seu "ministério" esteja se expandindo rapida­mente. É possível que recentemente você tenha se unido a um movimento "cristão" muito popular, e por isso "sua igreja" este­ja crescendo muito rapidamente. Talvez, você esteja ganhando fama ou até mesmo uma audiência internacional.
Em todas essas situações, há uma questão importante que precisa ser respondida: Tudo isso é um produto da Vida Divina ou é fruto da habilidade e ambição humana? É um produto do que está jorrando do lado de Jesus ou é algo natural e terreno, vestido com palavras e frases cristãs? O que você está construin­do é realmente a Noiva de Cristo ou é apenas um outro tipo de animal gracioso e felpudo? Ou, pior ainda, é algum tipo de monstro religioso? Apenas um tipo de obra irá suportar o dia do julgamento. As outras todas serão queimadas (1 Co 3:15).
Não sou juiz de sua obra para Deus. Ele é quem vai analisar tudo o que fazemos. Cada um de nós estará diante do trono de Deus, apresentando todas as nossas obras, e então o julgamento de Deus será executado sobre nós. Com isto em mente, nós somos exortados a examinar cuidadosamente nossa própria obra à luz de Deus (Gl 6:4).
Meu trabalho como seu irmão em Cristo não é aprovar ou condenar o que você está fazendo em nome de Jesus. É apenas compartilhar com você as coisas que Ele tem me mostrado e estimular você, no temor a Deus, a ouvir o que Ele pode estar falando a você e a responder a Ele de todo o seu coração.


                A VERDADEIRA CASA DE DEUS
A verdadeira casa de Deus é construída pela ministração de Vida ZOÊ fluindo para nós e através de nós pelo Santo Espírito. Estamos sendo transformados em habitação de Deus através do Espírito (Ef 2:22). É "o Espírito da vida (ZOÊ) em Cristo Jesus" (Rm 8:2) que está fazendo a obra em nós e por meio de nós. Este não é um trabalho que o homem natural possa fazer. Não há nada dentro de nós, desassociado da ministração da Vida pelo Espírito Santo, que possa servir para ser usado na construção.
Portanto, é essencial para cada cristão saber distinguir se está no Espírito ou se está meramente operando pela alma. É preciso ser capaz de discernir quando se está agindo e falando pelo fluir da Vida divina ou quando algo natural está operando. Precisamos desesperadamente discernir o que vem do Alto e o que vem da Terra.
A chave aqui é que a nova Vida de Deus vive em nosso espírito humano. O Santo Espírito Se uniu ao nosso espírito e os dois espíritos se tornaram um (1 Cor 6:17). Portanto, o que está fluindo para nós, vindo do nosso espírito, vem de Deus. Por outro lado, o que vem de nossa alma é natural, terreno e rejeita­do para a santa construção do templo de Deus.
Como precisamos nós, o povo de Deus, experimentar a sepa­ração entre nossa alma e nosso espírito (Hb 4:12)! É desesperadora a nossa necessidade, nesta hora, de saber quando é sim­plesmente nossa alma agindo por Deus e quando é realmente Deus agindo por meio de nós! Esse assunto de distinção entre alma e espírito é vasto. Não há espaço neste livro para falar disso com grandes detalhes. Mas eu quero estimular todos os leitores a gastar algum tempo revendo dois capítulos de meu livro DE GLÓRIA EM GLÓRIA. Estes dois capítulos, o 10 e o 11, sobre a divisão entre alma e espírito, podem ser de grande ajuda para a compreensão desse assunto essencial.
Entretanto, há dois aspectos da alma que necessitam ser examinados mais detalhadamente, já que eles entram muito facilmente em nossos projetos de construção para Deus.


A MENTE HUMANA
Primeiro, vamos falar sobre nossa mente. A mente é parte de nossa alma. Quando nossa mente está debaixo do controle do Espírito, temos o fluir da Vida ZOÊ e paz (Rm 8:6). Mas quando nossa mente está sendo motivada pela carne, a vida da alma flui de nossa mente e o resultado é a morte.
Freqüentemente, tal uso carnal de nossa mente é o resultado de agirmos de acordo com o nosso conhecimento acumulado. Muitos crentes, talvez sem imaginar isto, têm "aprendido" a agir como um cristão. Eles têm experiência no que dizer ou fazer e em como lidar com diversas situações. Talvez tenham sido treinados em alguma escola sobre como viver e agir em um ambiente cristão. É possível que pensem saber como construir uma igreja ou um grupo e estão ocupados completando o que sabem fazer entre o seu círculo de conhecidos cristãos.
Por exemplo: pode ser que eles tenham um certo jeito de orar que pensem "trazer resultados". Possivelmente pensam que sabem a maneira certa de expulsar demônios. É possível que tenham aprendido uma maneira especial de pregar, usando vários tons de voz e gestos dramáticos, parecendo uma peça de teatro. Essas e muitas outras coisas similares são freqüentemente empregadas na Igreja do Senhor.
Desta forma, estão tentando construir a casa de Deus com materiais terrenos, carnais. Eles usam a sabedoria natural da mente humana. Isto talvez nos faça lembrar as palavras de Paulo: "Se alguém julga saber alguma coisa, com efeito, não aprendeu ainda como convém saber" (1 Co 8:2). O que real­mente precisamos saber é como construir com o Espírito Santo e por meio Dele, que é quem transmite a Vida de Deus.
Você se lembra do Jardim do Éden? Lá havia uma árvore chamada "árvore do conhecimento do bem e do mal". A árvore era cheia de conhecimentos. Talvez fosse bom expandirmos um pouco a nossa compreensão dessa verdade, para ver que ela re­presenta muito mais do que simples conhecimento do mal.
Devemos estar cientes de que há também um "bom" conhe­cimento exibido por essa árvore. Tal árvore era (e ainda é) cheia de todo tipo de conhecimento e sabedoria boa, humana e terre­na. Esse "bom" conhecimento inclui o conhecimento de: como construir uma igreja; como aconselhar pessoas em determinadas situações; como organizar vários ministérios da igreja; como fazer isto ou como fazer aquilo de um modo "cristão"; e muito, muito mais.
O resultado de comer o fruto daquela árvore era a morte. Também hoje isto é uma verdade. Sim, a mente usada pelo homem natural produz morte. A mente humana, cheia de todo o tipo de conhecimento de como ser um cristão, de como agir ou reagir em cada situação, como formar um grupo etc., resulta em morte espiritual. A mente natural, sendo animada e usada pela vida da alma, produz morte, onde quer que ela se manifeste. Verdadeiramente, as Escrituras dizem que "o saber ensoberbece" (1 Co 8:1), mas nada faz para construir a casa espiritual de Deus.
Possivelmente, você tem passado por algumas experiências que podem confirmar essas verdades. Você pode ter assistido a muitos cultos e pregações que não edificaram o seu espírito. Pode ser que sua mente tenha sido estimulada, mas o seu homem interior não foi alimentado. Possivelmente, você rece­beu conselho ou ministração que não penetrou na raiz de suas necessidades, nem ministrou a Vida ZOÊ. Seu espírito foi deixa­do sem o verdadeiro alimento espiritual.
Há incontáveis homens e mulheres hoje que, embora sejam participantes de algum tipo de grupo cristão organizado, estão realmente morrendo de fome espiritual. Se a ministração que recebem é meramente mental, se é simplesmente a transmissão de conhecimento bíblico, eles não podem receber nutrição. Qualquer ministração que não seja a expressão da Vida divina fluindo por meio do Espírito Santo não pode edificar a Noiva. A Noiva de Jesus é feita somente do que fluiu do Seu lado no Calvário.


               EMOÇÕES E ENTRETENIMENTO
É claro que alguns percebem a falta do fluir da Vida. Eles discernem que não estão recebendo alimento espiritual. Mas, comumente a solução deles também é carnal. Sentindo a lacuna espiritual, eles recorrem à estimulação emocional para tentar preencher o espaço vazio. Sua música de louvor torna-se mais e mais alta. Participantes são incentivados a bater palmas, saltar e dançar. Algumas pregações se tornam simplesmente uma gri­taria de palavras ou frases comumente aceitas. Tudo isso e muita coisa mais é meramente um esforço para incitar as emoções dos que assistem, tentando preencher a falta do fluir do Espírito Santo. Isto também tem a sua origem na alma.
Estimulação emocional não faz nada para alimentar o espíri­to humano. Quando encontros cristãos sempre se constituem em muito som estridente e gritaria, um observador casual pode ser levado a concluir que, ou o Deus desse grupo é surdo, ou Ele está muito, muito distante.
Uma outra tática comum nas igrejas dos nossos dias, em uma tentativa de compensar a falta do fluir da Vida, é recorrer a vários entretenimentos. Claro que há os corais e os solos padrões. Mas, popular mesmo hoje em dia, são as danças cos­tumeiras, com bandeiras e roupas, apresentações de teatro, mímica e até bandas profissionais. Luzes faiscantes e efeitos especiais também podem ser usados. Pode ser que estas coisas tragam ao nosso grupo um sucesso aparente. É possível que mais e mais pessoas estejam comparecendo aos nossos encon­tros. Talvez imaginemos que estamos construindo a casa de Deus com os nossos métodos diferenciados.
Mas, precisamos parar um minuto e nos perguntar questões muito sérias. Será possível que essas coisas sejam simplesmente terrenas e humanas? Elas estão produzindo resultados espiritu­ais? Os homens e mulheres que estão comparecendo aos nossos encontros têm sido transformados à imagem de Deus? Eles têm sido libertos do pecado e cheios da Vida de Deus de uma maneira visível, que pode ser comprovada? Eles estão sendo transformados em pessoas santificadas, em quem Deus se agra­da de habitar? Suas vidas estão sendo mudadas, seus casamen­tos restaurados e as suas famílias estão sendo governadas pela graça de Deus?
A nossa ministração é o resultado do fluir da Vida divina ou um substituto humano? Esse é um trabalho que estamos fazen­do para Deus ou um trabalho que Deus está fazendo por meio de nós? E tal trabalho é verdadeiramente à prova de fogo, para que vençamos o teste no dia do julgamento, ou é algo que parece bom, mas na verdade é feito de madeira, feno e palha? A verdadeira Noiva de Cristo está sendo construída somente com aquilo que está fluindo de Seu lado ferido.


ANDANDO POR FÉ
Muitas pessoas, quando discutem como construir a Igreja, querem saber quais passos devem dar. Parecem desejar algum tipo de fórmula ou programa que possam seguir. Gostam de ter algo tangível em suas mãos, algo que possam fazer, algo que usem para melhorar o seu grupo. Eles se sentem muito inse­guros em simplesmente confiar que Jesus fará a obra.
Mas a casa de Deus é uma casa espiritual. Não é nada que dependa de planos, programas e fórmulas. Por ser espiritual, é também misteriosa e intangível. O homem natural não pode compreendê-la com a sua mente natural. Nossos olhos físicos não podem vê-la. E nossas mãos humanas não podem construí-la. Somente a Vida derramada de Cristo pode executar este tra­balho.
A casa de Deus é uma casa viva. Não é algo estático que pos­samos planejar, determinar ou controlar. Já que ela é viva, ela é sempre nova. Jesus, o arquiteto desta casa, está vivo hoje. Quando Ele andava aqui na Terra, Suas palavras e ações eram sempre imprevisíveis. Quando Seus discípulos acordavam a cada manhã, não tinham a menor idéia sobre para onde Ele iria, o que iria dizer ou o que iria fazer a seguir. Eles simplesmente tinham que confiar Nele para liderá-los e, assim, eles O seguiam para onde Ele fosse.
Nada mudou. Jesus não nos revela uma série de passos para construir a Sua casa. Nós, com a simplicidade das crianças, devemos andar com Ele todos os dias. Nós também precisamos andar com Ele mesmo sem saber o que vai acontecer depois. Precisamos acreditar que, conforme O seguimos e obedecemos, Sua casa estará sendo construída. Colaborar com Deus na cons­trução de Sua casa é um caminho de fé. Não é algo fixo ou pré-programado. Se não soubermos como caminhar com Jesus por fé, não poderemos construir Sua casa. Pela fé, somos capazes de sentir Sua liderança no dia a dia e de colaborar com Ele nas coisas que Ele está fazendo.
Se pensarmos que sabemos o que fazer, há uma grande pro­babilidade de tentarmos fazê-lo. Se imaginarmos conhecer o plano, é muito fácil para o nosso homem natural tentar executá-lo. No momento em que pensamos saber o que Deus está fazen­do, nós estendemos nossas mãos humanas para tentar ajudar.
Por esta razão, Deus não nos mostra tudo. Seu plano é que caminhemos com Ele e O obedeçamos. Nunca vai terminar a necessidade de caminhar com a confiança de uma criança. Se quisermos trabalhar com Deus na construção de Sua casa, este é o único caminho.
Imaginar que sabemos o que fazer e como fazê-lo é evidên­cia de que perdemos nossa direção espiritual. No momento em que pensamos que sabemos como ou o quê construir, isto é prova de que Jesus se mudou e nós estamos simplesmente nos agarrando à forma vazia de algo que Ele fez no passado. Quantos homens de Deus estão nesta posição! Estão tentando permanecer em algo que Deus fez no passado. Isto não funciona.
É verdade que Deus pode nos dar uma direção futura. Ocasionalmente, Ele nos mostrará como executar uma coisa ou outra para Ele. Entretanto, estas coisas são sempre sujeitas a mudanças. Nosso Senhor está sempre fazendo coisas novas. Não podemos tirar os olhos Dele. Precisamos olhar sempre para Ele e não somente para as coisas que Ele fez no passado. Preci­samos estar sempre prontos, como o povo de Israel no deserto, para empacotar nossas coisas e partir a qualquer momento. Não podemos perder contato com Ele. Deste modo, seremos frutífe­ros em nosso trabalho de construção de Sua morada eterna.

CONSTRUINDO COM VIDA
Nosso chamado da parte de Deus é para edificar os mem­bros individuais do corpo de Cristo. Isso requer que estejamos ministrando uns aos outros a Vida de Jesus. Como podemos ser cheios da Vida de Deus? Vamos investigar um pouco sobre este importante assunto.
A necessidade básica de tudo que tem vida é alimento. Qualquer ser vivo, seja planta ou animal, precisa de alimento para viver. Portanto, podemos concluir que, para estarmos cheios da Vida espiritual, precisamos receber algum tipo de nutrição espiritual. Nossa Vida espiritual não cresce por apren­dizagem. Não é produto de um esforço mental ou emocional. Não há outro jeito de estar cheio de Vida, a não ser comer. Ainda mais, precisamos comer freqüente e consistentemente.
O alimento que nosso ser espiritual necessita é uma pessoa: Jesus Cristo. Ele nos explica: "...se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tendes vida [ZOÊ] em vós mesmos" (Jo 6:53). Isto é muito simples. Para estarmos cheios de Sua Vida divina, precisamos estar em intimidade espiritual com Ele. Precisamos estar comendo e bebendo de tudo o que Ele é.
Portanto, o primeiro passo que precisamos dar para constru­ir a casa de Deus é nos encher de tudo o que Ele é. Precisamos gastar tempo, muito tempo, em Sua presença. Precisamos comer, beber e respirar todas as facetas de Sua natureza. Preci­samos nos saturar, até o ponto de transbordar esta Vida (ZOÊ) abundante. Isto deve se tornar a nossa experiência diária.
Então, quando falamos aos outros, isso é o que devemos compartilhar com eles. Quando estivermos com eles, eles sen­tirão o aroma suave de Cristo. Quando ministrarmos, ensinar­mos, aconselharmos ou ajudarmos alguém, o que sairá de den­tro de nós será aquilo que tivermos adquirido. "A boca fala do que o coração está cheio" (Mt 12:34). Se não estivermos nos ali­mentando do Cordeiro, teremos apenas algo humano para com­partilhar. Se não estivermos nos enchendo dessa substância di­vina, nosso "ministério" será somente terreno e humano.
Quando nos falta a Vida ZOÊ para ministrar, a única alterna­tiva é confiar na carne. Então, dependemos de nosso conhecimento bíblico. Nossa educação, nossa atração pessoal, nossas habilidades naturais, nossos talentos persuasivos entram em ação. Quando não temos o verdadeiro Cordeiro para oferecer, resta-nos, como foi com Caim, meros vegetais. E isto não pode construir a morada eterna de Deus.


                EM QUÊ ESTAMOS TRABALHANDO?
Na Igreja de Jesus Cristo hoje há muita atividade. Encontros, conferências, seminários e retiros existem em abundância. Muito trabalho está sendo feito. Há muita atividade na construção. Mas parece que muito deste trabalho está sendo feito para me­lhorar a alma. Muitos dos esforços cristãos parecem se dire­cionar para fazer "o velho homem" melhorar.
Algumas igrejas empregam regras e regulamentos para ten­tar controlar apetites carnais. Talvez essas normas se apliquem a tipos de roupas, estilos de cabelos e atividades esportivas.
Outros grupos submetem seus membros a algum tipo de autoridade humana, como o pastor ou algum tipo de "discipu-lador" que, supostamente, deve supervisionar suas vidas. Outros ainda empregam algum tipo de sistema de reeducação, seja de estudos bíblicos, programas de treinamento, seminários etc., para ensinar o novo crente como se comportar de um modo melhor. Em quase todas as "igrejas" há algum esforço sendo feito para melhorar, retreinar ou restringir a velha vida e a velha natureza.
Mas todos estes esforços são condenados ao fracasso. Isto é porque eles não penetram na raiz dos problemas humanos. A causa real de nosso problema não é o que fazemos, mas o que somos em nossa PSUCHÊ ou alma. O que nós somos - seres humanos com vida e natureza pecadoras - é o que nos faz errar. Somente a Vida de Jesus Cristo tem o poder de lidar com este problema.
A solução aqui é ministrar a Vida aos espíritos dos outros. Conforme o homem espiritual cresce, o velho homem é levado à morte. Quando a nova Vida espiritual se fortalece, nossas ati­tudes e ações mudam. Nossos apetites e desejos se tornam dife­rentes. Nossos pensamentos e opiniões começam a refletir os de nosso Senhor. Isto não é porque nós fomos instruídos ou reedu­cados, mas porque há uma nova Vida vivendo em nós e por meio de nós.
A Vida que recebemos de Jesus é cheia do Seu caráter e de Sua natureza divina. Seus pensamentos, sentimentos, planos e propósitos são todos contidos em Sua Vida. Assim, quando esta Vida cresce, ela começa a se expressar em nós e por meio de nós. Começamos então a sentir Seus sentimentos e a, realmente, pen­sar Seus pensamentos. Quanto mais esta Vida amadurece, mais refletimos Cristo em cada aspecto de nossas vidas. Em vez de tentar pensar, agir ou falar imitando Jesus, podemos nos tornar uma expressão real de Sua Vida eterna. Nós nos tornamos vasos vivos por meio dos quais o próprio Deus Se revela.
Então a nossa meta deve ser nos encher com esta Vida e mi­nistrá-la aos outros. Quanto mais dela obtivermos, mais frutífero será o nosso ministério. Deus irá usar nossos dons e habilidades espirituais para Se expressar por meio de nós. Então, os que estão ao nosso redor também serão alimentados e crescerão. A coisa mais importante que podemos fazer para construir a casa de Deus é vir a Ele constantemente e encher nossos espíri­tos com Sua Vida. Deste modo, nós podemos "repartir" ou "ministrar" aos nossos irmãos e irmãs e até mesmo ao mundo que perece.
Qualquer outro método, não importa o quanto seja bem intencionado, não pode deter o pecado. Isto é porque tais méto­dos somente funcionam tentando corrigir nossos pensamentos, nossos sentimentos e nossas decisões. Estes são simples aspectos de nossa alma.
Paulo é muito claro quando explica que a lei é fraca, porque ela opera somente através da carne (Rm 8:3). Do mesmo modo, todos os nossos esforços para aplicar "princípios cristãos" às nossas vidas, apenas atingem o homem exterior. Eles não fazem coisa alguma para transformar algo da PSUCHÊ para a Vida ZOÊ. Além disso, qualquer "disciplina" a que possamos subme­ter qualquer crente que está errando nada fará para penetrar a profundidade da questão, que é aquilo que ele é.
A verdadeira solução é a ministração do Espírito. Quando estamos caminhando em Vida, é porque estamos em comunhão com Deus e cheios de Sua Vida. Então podemos ministrar isto aos outros. Esta ministração viva penetra no profundo do espíri­to humano, efetuando uma mudança verdadeira e eterna no centro daqueles a quem ministramos.
Esta Vida, que fluiu do lado ferido de Jesus Cristo na cruz, é o único elemento que pode ser usado para construir a casa de Deus. Como precisamos experimentar esta Vida! Como pre­cisamos conhecer esta Vida, para discernir entre ela e as mani­festações da alma! É uma necessidade desesperadora, nesta últi­ma hora, para o povo de Deus deixar os vãos exercícios reli­giosos. É essencial pararmos toda atividade que é meramente da alma, humana e terrena. É crucial nos arrependermos de toda a nossa obra natural e de todos os esforços terrenos e começarmos a viver e a trabalhar pelos impulsos de uma Outra Vida.
Queridos irmãos e irmãs, estas considerações são impor­tantes. Todas as nossas obras serão julgadas um dia. O fogo de Deus irá nos testar e também àquilo que estivemos construindo. Que possamos ter humildade para interromper qualquer coisa que percebemos não vir Dele. Que nós possamos ter honesti­dade para admitir e abandonar qualquer construção que tenha sido feita por mãos humanas. Que nós possamos estar entre aqueles de quem será dito: "...suas obras foram feitas em Deus" (Jo 3:21).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário:

Facebook