Postagens

Versículo da semana:

VERSÍCULO DA SEMANA:
"E por que me chamais: Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu vos digo?" (Lucas 6:46)


Frase do momento

Frase do momento:

"Não é minha intenção atacar o denominacionalismo do cristianismo como errôneo. Eu somente quero dizer que para que o corpo de Cristo encontre uma efetiva expressão local, a base de comunhão deve ser verdadeira. E esta base é a relação de vida dos membros com o Seu Senhor e a sua desejosa submissão a Ele como o Cabeça. Tampouco estou pleiteando por aqueles que irão fazer uma seita carnal daquilo que poderia chamar de 'localismo', isto é, a estrita demarcação de igrejas por localidades. Porque tal pode ocorrer facilmente. Se o que estivermos fazendo hoje em vida se tornar amanhã um mero método, tal que seu próprio caráter alguns dos Seus forem excluídos, possa o Senhor ter misericórdia de nós e quebrar tudo!" (A Vida Normal da Igreja Cristã, capítulo 4. Grifo nosso)

21 de mar de 2011

Deixe Meu Povo Ir (Cap 4)

CAPÍTULO 4                                                                                                                                                             ONDE DEUS MORA



     
         O Senhor nosso Deus não mora em uma casa construída por mãos humanas. Isso está muito claro em Sua Palavra, onde lemos: "O Deus, que fez o mundo e tudo o que nele existe, sendo Ele Senhor do céu e da Terra, não habita em santuários feitos por mãos de homens" (At 17:24). Claro que muitos crentes com­preendem que isso significa que Deus não reside em algum tipo de templo ou catedral de construção terrena.
Não importa o quanto sejam ornamentados, bonitos ou ela­borados, Deus não é atraído por templos terrenos e não mora neles. Embora algumas pessoas admirem construções religiosas extravagantes e confundam esse sentimento da alma com uma bênção espiritual, a verdade é que Deus não mora e nem nunca irá morar em algum tipo de edifício físico. Muito menos, Ele habita em uma caixinha dourada na frente da catedral, ou em qualquer tipo de imagens, sejam elas feitas de porcelana, plásti­co, madeira ou metais preciosos. A maioria dos crentes ver­dadeiros de hoje compreendem essa verdade.
Mas o que muitos falham em perceber é que Deus também não vive em organizações humanas. Estou querendo dizer com isso que Ele não habita em grupos cristãos que se tenham forma­dos por esforços meramente humanos. Esse é um ponto que talvez seja muito difícil para alguns compreenderem. Embora a maioria saiba que Deus não mora em uma casa de tijolos ou pedras, muitos têm um conceito fortemente arraigado de que Ele, na verdade, mora em qualquer grupo cristão que se intitula "igreja". Nós facilmente imaginamos que Deus vive em nossa organização particular.
Contudo, à medida que recebemos uma revelação celestial, começamos a compreender que a casa de Deus é viva. Não é uma estrutura estática, mas algo que é cheio de Sua Vida. O corpo de Cristo - o lugar onde Ele realmente vive - é um orga­nismo vivo. Não é uma organização. Tal residência viva não é um produto do esforço ou da vontade humana. Não é algo que o homem possa criar sozinho. É resultado de Sua Vida sobrena­tural. É algo que cresce e toma a forma que Ele deseja como resultado de Sua própria Vida eterna.
Portanto, podemos facilmente entender que nosso Senhor não irá morar em qualquer grupo cristão, a menos que este seja um produto de Sua própria Vida. Não é suficiente que a nossa igreja seja "bíblica". Não é o bastante que um grupo cristão pareça se conformar aos padrões do Novo Testamento. Só o que O atrai é a Sua Noiva viva (o Seu corpo) com a qual Ele deseja viver por toda a eternidade. Somente aquilo que é produto de Sua Vida sobrenatural servirá para ser a Sua habitação.
Ao começarmos a ver com mais clareza a casa de Deus, somos levados a concluir que, se o nosso grupo é resultado de capacidade humana, Deus não irá morar nele. Se nossa igreja é o resultado da habilidade organizacional, do esforço terreno, da liderança especial (não importa o quanto ela possa ser carismáti­ca), do talento administrativo ou de atrações populares, ela real­mente não é a casa de Deus.
Simplesmente colocar o nome "igreja" em nosso grupo não irá qualificá-lo para ser a habitação eterna de Deus. Simples­mente organizar algo que parece ser bom e "religioso," do ponto de vista humano, não garante Sua aprovação. Qualquer coisa que seja feita por mãos humanas não se adapta para ser o lugar da morada de Deus.
OS BLOCOS FUNDAMENTAIS DA CONSTRUÇÃO
Os materiais, os blocos fundamentais para a construção da casa de Deus, são individuais e não grupais. Ele habita pessoal­mente em homens e mulheres, individualmente. Nós lemos que nós somos o templo do Deus vivo e que Ele irá morar em nós (2 Co 6:16). Também lemos que nossos corpos são o templo do Espírito Santo (1 Co 6:19). Desta forma, homens e mulheres, individualmente, são os matérias da casa de Deus.
Portanto, para que a casa de Deus seja edificada, os crentes, que são esta casa, precisam deixar que a Vida de Deus cresça neles. É necessário que eles amadureçam e se tornem aquilo que Deus deseja que eles sejam. Este crescimento individual de cada membro é o que faz com que Sua casa seja edificada. Não é sufi­ciente juntar um grande número de pessoas, mas o crescimento dos indivíduos faz com que o todo funcione em plenitude.
Vamos analisar um pouco melhor este pensamento. Se nós desejarmos construir a casa de Deus, precisamos concentrar nosso trabalho nos matérias, os blocos básicos, que são os indi­víduos. Precisamos centralizar nossos esforços em ajudar cada pessoa a crescer em Cristo. Precisamos aprender como ministrar Cristo uns aos outros, de modo que eles possam amadurecer espiritualmente. Deste modo, a casa de Deus será edificada.
Se desejarmos construir o templo do Espírito Santo, só há um modo de fazê-lo. Precisamos encher-nos com a Vida sobre­natural de Deus diariamente. Precisamos cultivar uma intimi­dade com Jesus, comendo e bebendo Dele, para nos enchermos daquilo que Ele é. Após nos enchermos, podemos "ministrar" ou compartilhar esta Vida com outros crentes (ou mesmo com os ímpios) com os quais temos contato. Ao compartilharmos Jesus com os outros, eles também irão crescer até à Sua estatura.
Isso nem sempre tem acontecido hoje. Muitos estão traba­lhando para formar algum tipo de grupo. Seu foco é a aparência do conjunto total. Eles estão tentando montar um tipo de estru­tura na qual os crentes se ajustem. Estão organizando, adminis­trando, planejando e fazendo. Estão ocupados construindo a sustentação da obra, da maneira como eles pensam que a igreja deveria ser. Estão trabalhando para manter um grupo unido, o que para eles parece ser "uma igreja".
Mas, muito desse esforço não faz com que os membros cresçam em Vida. Muito freqüentemente, uma coleção de indiví­duos assim é exatamente isto: um grupo de crentes cujas vidas não são realmente transformadas à imagem de Cristo. Geralmente muitos desses crentes são mantidos por uma estru­tura que alguém fez e não estão realmente crescendo espiritual­mente. Conseqüentemente, o grupo não se torna um lugar onde a presença de Deus vem e faz morada.
Já que Deus mora em indivíduos cristãos, quando estão jun­tos, há uma manifestação da Sua presença. Mas esta manifes­tação - o poder de Sua presença - é inteiramente dependente do grau de intimidade de cada indivíduo com Ele. Quanto maior for o espaço dado a Ele por cada um em sua vida, mais podero­samente Ele será expresso no grupo e por meio do grupo. Quanto mais maturidade espiritual e mais amor por Jesus tiver cada membro, mais o grupo será realmente o Seu templo.
A ênfase dos ensinamentos de Jesus, e do Novo Testamento em geral, é nos materiais individuais, os blocos de construção, por assim dizer, e não na aparência do conjunto. Não é desejo de Deus simplesmente juntar um número impressionante de crentes. Não faz parte de Seus planos que a igreja seja um tipo de organização bem sucedida. Ele não é atraído por isto.
Seremos coletivamente o Seu lar, somente à medida que cada membro do corpo se abra para ser Sua habitação indivi­dualmente. Seu desejo é que cada um de nós seja santificado, transformado e esteja pronto para recebê-Lo como morador, para que Ele possa Se mover por meio de nós.
Talvez uma analogia possa ajudar aqui. Vamos supor que uma pessoa muito rica tenha contratado um construtor para lhe fazer uma casa de blocos de granito. Vamos imaginar que o construtor tenha empregado outros materiais no lugar do granito. Ele queria construir mais rapidamente e de maneira mais barata. Então, usou tábuas e madeira compensada e, para que parecesse granito, ele prendeu um tipo de chapa plástica no exterior, muito parecida com a rocha genuína. É até possível que, no final, ele tenha conseguido chegar a algo que se asseme­lhava ao plano original.
Quando o dono da casa chegar para ver o trabalho, ele se agradará do resultado? Ficará satisfeito com a obra? Ou ele se recusará a morar em uma casa feita com materiais inferiores e mais baratos? Não há dúvida de que ele não pagará pela obra e não se mudará para essa casa de imitação.
Quanto menos irá o Deus do Universo morar em algo que não é feito com os materiais corretos e que não foi construído de acordo com os Seus planos. Nesse caso, assim como é com a Igreja, o material individual é que é essencial, não simplesmente a aparência do conjunto.
Esta distinção é muito importante. Se formos colaborar com Deus construindo a Sua casa, precisamos compreender como é o lugar em que Ele vive. Ele não vive em organizações cristãs que foram formadas por esforços humanos, e que, por meio de métodos terrenos, mantêm seus membros agregados.
Todavia, nós muitas vezes encontramos servos de Deus bem intencionados, trabalhando para conseguir agregar um grande número de crentes, debaixo do mesmo teto. Eles estão usando sua personalidade e talentos para agrupar as pessoas em volta deles ou de seus ministérios, supondo que ali seja a casa de Deus.
Muitas pessoas hoje comentam sobre maneiras de fazer "a igreja delas" crescer. A idéia principal parece ser a de conseguir aumentar o número de pessoas que assistem aos cultos. Vários métodos estão sendo empregados com esse intuito, incluindo novos edifícios, novos programas e projetos, ênfase em alguns dons, experiências etc. Mas simplesmente aumentar o número de membros nada faz para construir a casa de Deus a não ser que esse aumento seja de ímpios que verdadeiramente tenham nascido de novo. A casa de Deus não é construída pelo cresci­mento meramente numérico. Construir uma organização reli­giosa não é a mesma coisa que construir o templo do Deus vivo.
A idéia de Deus não é construir um grupo, mas sim edificar cada homem e cada mulher que formam os grupos. Sua intenção é que nós edifiquemos uns aos outros. É assim que iremos nos ajudar a crescer espiritualmente. À medida que crescemos, damos mais "espaço" para Ele viver e Se mover dentro de nós e através de nós. À medida que nos edificamos uns aos outros na fé santíssima (Jd 1:20), estamos construindo o lugar de residên­cia de Deus. Essa é a nossa tarefa. Jesus nos instruiu a ir e a fazer discípulos. Isto significa auxiliar outros a virem para Jesus e a se submeterem a Ele. É o próprio Deus, então, que toma esses "materiais" e os ajunta conforme Sua vontade (1 Co 12:18).
A manifestação de Sua presença em qualquer reunião de crentes depende dos corações dos indivíduos que ali estão reunidos. Não tem nada a ver com o bom funcionamento da organização. Não depende do número de pessoas presentes. Deus não é atraído por nossos programas, projetos ou "ministérios". Então, o que estamos construindo? Se Sua presença é atraída por homens e mulheres abertos a Ele, e não por nossa superestrutura, onde deveríamos estar investindo nosso tempo?
Agora, alguns podem argüir: "Mas a Bíblia diz que onde dois ou três se reunirem em nome dele, Ele aí estará no meio deles". Sim, Jesus visita nossos encontros. Mas, quero repetir, a intensidade de Sua presença vai estar diretamente relacionada com a abertura dos corações das pessoas envolvidas. Quando os corações das pessoas presentes estiverem fechados, elas não poderão sentir a Sua presença.
A visitação de Deus não depende da posição doutrinal do grupo. E nem está baseada em aparência exterior ou qualquer outro fator superficial. Deus olha para os corações dos indivídu­os. Além disso, a qualidade do ministério que recebemos Dele e a profundidade de nossas experiências em tais circunstâncias coletivas estão diretamente relacionadas com a fome espiritual e a abertura daqueles que estão envolvidos. Tudo isso é para dizer que a experiência espiritual do grupo depende dos indivíduos nos quais a obra de Deus está sendo feita.


DEUS NUNCA NOS DISSE  PARA ORGANIZARMOS GRUPOS
Em nenhum lugar no Novo Testamento, somos instruídos a tentar edificar um tipo de grupo, de igreja ou de organização religiosa. Isso é muito importante. Nunca nos falaram para ten­tar ajuntar um grande número de crentes e organizá-los em algum tipo de grupo. Nunca fomos ensinados que deveríamos construir "uma" igreja. Nunca fomos exortados a formar algu­ma organização cristã.
É nosso trabalho, sendo dirigidos pelo Espírito Santo, nos edificarmos uns aos outros. Essa é a nossa parte da obra. Então é trabalho do próprio Deus nos colocar juntos. Essa união não é um trabalho que o homem possa fazer, nem uma obra que tenhamos sido instruídos a realizar. Uma leitura cuidadosa do livro de Efésios ajudará o leitor a ver isto mais claramente. Foi Deus quem "nos ressuscitou" e "nos fez sentar juntamente com Ele nos lugares celestiais" (Ef 2:6).
Jesus disse explicitamente: "Eu edificarei a minha igreja" (Mt 16:18). Lemos que "o Senhor lhes acrescentava diariamente os que iam sendo salvos" (At 2:47-NVI). Foi o próprio Deus quem colocou junto esse grupo. Os primeiros cristãos não tra­balhavam para convencer as pessoas a se juntar ao seu grupo, mas para apresentá-las a Cristo. Eles não estavam tentando for­mar um novo tipo de sociedade, mas sim viver pelo Espírito Santo e compartilhar Jesus com o mundo. A Igreja ou as igrejas que surgiram foram um resultado espontâneo da ministração de Jesus. Elas eram o fruto automático da pregação do Evangelho. Esses resultados não foram conseguidos por crentes tentando organizar grupos, mas um produto da Vida de Jesus sendo vivi­da entre eles.
Lemos em Zacarias 6:12,13, que o trabalho do Filho de Deus é edificar o templo do Senhor. Ali lemos: "Assim diz o Senhor dos Exércitos: Eis aqui o homem cujo nome é Renovo; Ele bro­tará do seu lugar e edificará o templo do Senhor. Ele mesmo edificará o templo do Senhor e será revestido de glória, assentar-se-á no Seu trono e dominará e será sacerdote no Seu Trono..."
Deus também diz: "O céu é o meu trono, e a terra, o escabelo dos meus pés, que casa me edificareis vós?" (Is 66:1). A resposta é que não existe casa que possamos edificar para Ele. Nada que possamos construir irá agradá-Lo. Nenhuma de nos­sas organizações humanas e terrenas funcionará. Não importa o que possamos construir, não importa o quanto seja bom ou quão bíblico possa parecer, não podemos, nunca, construir algo onde Deus possa morar. Somente Ele pode fazer isto.
Não podemos construir a casa de Deus. O melhor que podemos fazer é trabalhar em colaboração com Ele. Esta coope­ração é feita quando ajudamos a preparar os materiais. É Ele, então, quem os coloca juntos, da maneira como Lhe agrada.
A igreja primitiva, que talvez julgamos ser um tipo de "grupo", era obra de Deus e não de homens. Era o resultado na­tural e espontâneo da obra de Jesus Cristo nos corações dos homens e das mulheres, individualmente. Foi Ele quem os reuniu. Também era Sua a responsabilidade de mantê-los juntos, se assim o desejasse. Em nenhum lugar do Novo Testamento, encontramos os apóstolos correndo atrás de ajuntar crentes a fim de agrupá-los.
Muitos crentes estão, hoje em dia, tentando montar algum tipo de estrutura ou madeiramento para a igreja. Por exemplo, eles acham que, se podem providenciar encontros, orações, lou­vores, vários ministérios, como a Escola Dominical, grupos de adolescentes etc., então, os crentes podem se encaixar nessa organização. Eles podem usar essa estrutura para "apoiar" nela as suas vidas espirituais. Os membros, então, são levados adi­ante passivamente pelas atividades e ministérios dessa organi­zação.
Infelizmente, esse é, exatamente, o tipo de obra do qual fala­mos no capítulo anterior. É tentar fabricar uma estrutura e esperar que ela se encha de Vida. É tentar fazer talos, pétalas, flores e folhas de seda e arame e não deixar simplesmente que a vida da planta cresça. Qualquer tipo de estrutura ou madeiramento organizacional, que possa ser fabricado por seres humanos, nunca se tornará a casa eterna de Deus.
Nossa meta, nossa única meta, é ministrar Jesus uns aos ou­tros e ao mundo. Nosso chamado é para edificar indivíduos. Nosso trabalho é edificar o templo de Deus, que é constituído por homens e mulheres.
Deus então irá usar esses materiais de construção, irá colocá-los juntos em um arranjo divino, que somente Ele pode fazer. Ele irá construir a Sua Igreja! Ele fará o edifício, juntando as partes separadas. Nossa parte é ministrar Jesus Cristo uns aos outros e deixar os resultados com Ele.


COMO FUNCIONA
Quando somos bem sucedidos ao ministrar Vida a outras pessoas, elas amarão mais a Deus; aprenderão a andar em inti­midade com Ele; aprenderão a ouvir a Sua voz e a Lhe obedecer. Conseqüentemente, desejarão estar junto com os outros que sen­tem esse mesmo amor. Então irão procurar companheirismo. Elas irão naturalmente procurar por chances de se juntar a ou­tros para orar, louvar e compartilhar. Assim, a casa de Deus irá crescer e será edificada.
À proporção que cada um segue a liderança do Cabeça e compartilha sua porção de Vida com o resto, a casa de Deus começa a aparecer. Todos os aspectos da Igreja que vemos no Novo Testamento, incluindo encontros, ministérios, uso de dons, etc., começarão a se manifestar automaticamente entre qualquer grupo de crentes que caminham amando e seguindo a Jesus. A Vida Dele irá produzir isso, irá sempre produzir tão somente a Igreja. Deus os conduzirá a tudo o que Ele tem preparado para os que O seguem.
Este conceito é muito simples, embora muito profundo. Se nós, como criancinhas, simplesmente amarmos e seguirmos a Jesus a cada dia, a Igreja brotará. A casa de Deus aparecerá como resultado de Sua Vida. O edifício será o produto de um trabalho sobrenatural. Será algo edificado por Jesus.
Aqui não há lugar para mãos humanas. Não há necessidade de planos e esquemas de homens. Não há necessidade de madeiramentos organizacionais e de estruturas humanas. À medida que simplesmente vivemos Jesus, Sua Vida irá produzir a Igreja. De fato, não há outro modo de se atingir este objetivo.
Por favor, preste cuidadosa atenção nisto. Não há outro modo de construir o templo do Senhor, a não ser permitir que a Vida do Senhor o faça. Somente Ele é capaz de fazer a obra. Com Jesus vivendo em nós e por meio de nós, haverá uma estrutura sobrenatural sendo construída. À medida que O seguimos a cada dia, ministrando-O aos outros, Sua morada aparecerá. A ministração da Vida eterna resultará na edificação da casa de Deus. A Vida de Deus sempre irá crescer na forma da Igreja que Ele deseja. Qualquer coisa que passe disso é apenas uma substi­tuição humana.
Esse modo de edificar quase nunca será impressionante. Aqueles que escolherem edificar com a Vida, dificilmente ficarão famosos, muito procurados ou populares. Suas obras nunca irão competir em termos de grandeza e números com os esquemas dos homens. O modo de Deus tem sido sempre um caminho modesto e humilde.
Precisamos preparar nossa mente para isso. Precisamos imaginar, antes de começarmos, que nossa obra não vai massagear nosso ego ou elevar a nossa popularidade. Nossos corações precisam estar preparados para simplesmente obedecer a Jesus e nunca procurar por resultados que o mundo con­sidera impressionantes. É apenas nos humilhando e nos tornan­do como criancinhas que seremos bem sucedidos em entrar no Reino de Deus (Mt 18:3).
Quando o primeiro broto de uma planta irrompe da terra, nunca é algo pomposo. Não parece ser grande coisa. Contudo, é a coisa real. Portanto, nunca deveríamos julgar nossa obra ou qualquer outra em termos seculares. Nunca deveríamos procu­rar por sucesso, números grandiosos, fama etc., para ver se o que estamos fazendo agrada a Deus.
O único padrão de qualquer obra é se estamos obedecendo a Deus. Se O estamos seguindo fielmente em tudo o que faze­mos, então nossa obra será aprovada. Por outro lado, se ambi­cionamos o sucesso e toda a pompa que o acompanha, então te­remos muitos problemas ao tentar construir a casa de Deus a Seu modo.


A NECESSIDADE DE FÉ
Construir à maneira simples da Vida requer fé. Exige que cada um tenha um relacionamento de fé com Jesus Cristo. Precisamos acreditar que, se apenas O seguirmos a cada dia, fazendo o que Ele nos conduz a fazer, Ele irá produzir os resul­tados. Isso requer muita fé. Precisamos crer que Jesus fará o que Ele disse que faria - construir a Sua Igreja. Precisamos confiar que, enquanto fazemos nossa pequena parte no plano de Deus, Ele cuidará do resto.
Se não tivermos tal fé, então começaremos a fazer coisas por nós mesmos. Por ser o modo da Vida freqüentemente vagaroso e nada impressionante, sempre haverá uma grande tentação para que o homem dê uma mãozinha a Deus. Muitas vezes haverá coisas que imaginamos precisam ser feitas para acelerar um pouco o processo. Haverá freqüentemente a oportunidade de estender as mãos humanas e tentar fazer a obra de Deus no lugar Dele.
Edificar com Vida é caminhar por fé e não por vista. Mas esse tipo de caminhada é muito difícil para o homem natural. É normal para os seres humanos dependerem apenas de coisas tangíveis. Eles confiam facilmente naquilo que podem ver, ouvir e sentir. Conseqüentemente, os homens tendem a buscar algo exterior e terreno. Qualquer homem ou mulher de Deus que quiser construir com Sua Vida, precisa continuamente estar aler­ta contra essa tendência humana.
As estruturas religiosas fornecem tais escoras tangíveis para a alma humana. A organização humana freqüentemente atrai bastante o homem natural. É sempre muito mais fácil que ho­mens e mulheres se sintam confortáveis com algo mental, regu­larmente esquematizado, visível e provável.
Tais sistemas religiosos não requerem muita fé. Não deman­dam uma completa submissão a Deus por parte dos congrega­dos. Eles oferecem espaço de sobra para que crentes sejam con­duzidos pelas suas muitas atividades, entretenimentos e progra­mas, estejam eles, verdadeiramente, procurando a Jesus com todo o seu coração ou não.
Esta é a razão pela qual organizações humanas parecem prosperar, enquanto que o modo de uma simples fé genuína é negligenciado. Tais sistemas têm rótulo cristão, mas fornecem também muito espaço para o homem natural. Neles, um crente carnal pode participar, sem nenhum desconforto. Freqüente­mente tais estruturas humanas fornecem apenas religião sufi­ciente para satisfazer a consciência dos assistentes, junto com uma boa dose de funções sociais e outras atividades para man­ter o homem natural feliz.
Uma caminhada de fé genuína demanda contato contínuo e obediência a Alguém invisível. Esta caminhada em espírito não acontece com o uso de nossos sentidos naturais. Isto significa que precisamos manter um relacionamento íntimo com nosso Salvador, o qual é intangível ao homem natural. É somente por meio dessa comunhão espiritual com Deus que somos bem sucedidos em viver em obediência a Ele e em construir Sua casa eterna. É assim, recebendo Dele o fluxo de Vida, que podemos ministrá-Lo a outros também e construir algo que O agrade.


NÃO DESISTA DE CONGREGAR
Há uma importante admoestação nas Escrituras que nos incita "a não desistir de congregar" (Hb 10:25). Esta é uma palavra essencial para todos os crentes. Se amamos Jesus e O seguimos, naturalmente desejamos estar com outros cristãos tanto quanto possível. Esse "congregar" com eles será um grande desejo de nossos corações. Um cristão obediente sempre estará procurando isto. Portanto, encontrar-se com outros crentes para louvar, orar e fazer edificação mútua será um notável aspecto da experiência da igreja viva. Na verdade, esse desejo ou a ausência dele, é um bom teste para ver se realmente estamos andando em intimidade com Jesus.
Todavia, esse versículo não pode, de maneira alguma, ser considerado como uma ordem para tentar reunir um grupo ou uma estrutura humana. Isto não é o que dizem as Escrituras. Essa exortação visa estimular os crentes a obedecer à liderança do Espírito Santo e a procurar comunhão com outros crentes.
Pelo fato de nossa natureza humana não desejar estar na pre­sença de Deus, seja quando estamos sozinhos, seja em comunhão com outros crentes, existe uma tendência a evitar encontros e camaradagem. Portanto, somos instruídos a não permitir que a carne domine sobre nós e a fazer um esforço para continuar a procurar comunhão com os outros.
À medida que servimos uns aos outros por meio do Espírito Santo, nós todos iremos crescer, e a casa de Deus irá se expandir. Quando usamos nossos dons e ministérios para edificar indiví­duos, o templo de Deus estará sendo construído. O próprio Deus juntará as peças para a edificação da casa, conforme Lhe agrada (1 Co 12:18). Então é ali que Ele irá morar eternamente: "dentro" dos homens e mulheres espiritualmente edificados e "entre" eles.
Vamos, juntos, pensar nisto. Quando aparecermos diante do Senhor, o que apresentaremos a Ele? Demonstraremos a nossa maneira de conduzir os nossos encontros? Exibiremos as novas danças ou as peças de teatro? Mostraremos os nossos grupos especiais para os jovens, para os recém-casados, para os solteiros etc.? Nossos padrões, nossas práticas e nossos planos serão de interesse para Ele? Não!
O que Deus estará interessado em ver é como o Seu trabalho de transformação foi ocorrendo em cada indivíduo. Sua atenção estará focalizada no crescimento espiritual de cada um. O que Ele desejará examinar é como cada um de nós tem sido transfor­mado à imagem Dele. O interesse de Deus não será quantas pes­soas nós conseguiremos reunir, mas o nível de maturidade espiritual de cada uma.
Então, já que estas coisas são o objetivo Dele, não deveriam ser também o nosso foco? Não deveríamos também usar nosso tempo e energia para construir o que está no coração do Senhor? Não deveríamos deixar para trás coisas que não irão per­manecer e nos concentrarmos naquelas que irão?
Vamos nos perguntar honestamente: nossa organização pas­sará no teste do Dia do Julgamento? Nossos grupos e nossas atividades brilharão como a luz do sol no dia do Senhor? Então, quanto do nosso esforço é simplesmente inútil e desperdício, ao invés de construirmos aquilo que irá perdurar por toda a eterni­dade?
Na Igreja de Cristo hoje, muitos têm outro objetivo. Estão se esforçando para edificar uma organização grande, bem sucedi­da e que cresça rapidamente. Para ser totalmente justo, creio que a maioria dessas organizações acredita que o crescimento espiritual é uma de suas metas. Eles imaginam que a maturi­dade será o resultado de seus esforços.
Talvez alguns pensem que irão juntar um grupo de pessoas ou "igreja" e que irão usar esta organização como um meio para edificar pessoas. Supõem que irão usar o seu grupo para levar adiante a obra de Deus. Talvez os motivos deles sejam bons, mesmo que as suas práticas sejam deficientes. O problema com esse tipo de método é que, para juntar um grupo e mantê-lo unido, são usados meios humanos e naturais.
Em vez de simplesmente ministrar Cristo, somos levados a encarar a tarefa de fornecer apoio a várias atividades para atrair pessoas, ao mesmo tempo que tentamos trabalhar no estado espiritual delas. Tentamos mantê-las interessadas em algo dife­rente da pessoa de Jesus Cristo e ainda assim, tentamos ajudá-las espiritualmente. Esse é realmente um caminho inadequado para fazer a obra de Deus. Não é fazer a obra de Deus da maneira como Deus trabalha.


     QUAIS SÃO OS NOSSOS MOTIVOS?
Uma outra questão importante, que temos que considerar cuidadosamente diante do Senhor, é: quais são os nossos motivos? Precisamos examinar honestamente os nossos cora­ções. Quando estamos tentando colocar junto um grupo, os nos­sos motivos se tornam divididos.
Sim, queremos servir aos outros em nome de Jesus, mas tam­bém queremos que eles se juntem a nós em nosso grupo. Sem dúvida, cremos que o nosso grupo é obra de Deus, então fica difícil ver que edificar a nossa organização não é o mesmo que edificar a casa de Deus.
Quando temos a motivação de fazer crescer "nosso" grupo particular ou "nossa igreja", então, torna-se impossível não con­vivermos com um tipo de teia de aranha escondida atrás de nós. Falamos sobre Jesus e as coisas de Deus, mas queremos que as pessoas se juntem a nós. Secretamente, queremos prendê-las em nossa teia. Mas, quando estamos sinceramente interessados só em edificar alguém em Cristo, todos os motivos dúbios desa­parecem. Então nos tornamos livres para simplesmente edificar a casa de Deus. Temos então a grande liberdade de servir aos outros sem agenda secreta. Se eles se juntam a nós ou não, não é algo que deve ser considerado.
Com esse tipo de atitude, podemos servir a outros que não concordam conosco. Podemos compartilhar Jesus com outros, em outras "igrejas", sem tentar, secretamente, persuadi-los a deixar o que estavam seguindo para se unir a nós. Podemos ministrar sem motivos dissimulados. Podemos simplesmente falar o que o Espírito Santo está falando no momento e podemos amar aos outros sem empecilhos. Podemos viver Jesus Cristo em grande simplicidade entre outros crentes e também entre os do mundo.
Quando o nosso único motivo é edificar a casa de Deus, podemos servir e edificar a outros livremente. Este tipo de propósito nos permite viver em um tipo de inocência infantil e também em grande liberdade. Quando a nossa meta é edificar indivíduos, podemos permanecer servos humildes. Mas, quan­do o nosso objetivo é reunir um grupo, então muitos fatores entram em cena.
Vamos raciocinar juntos sobre isto. Se desejamos formar um grupo ou uma "igreja" distinta, esse grupo deve ficar apartado da Igreja como um todo. Caso contrário, ela não tem sua própria identificação e, portanto, não poderá ser reconhecida como um grupo. Portanto, para que esse grupo seja formado, precisamos ter alguns métodos para separar homens e mulheres do resto do corpo de Cristo e convencê-los a aderir a nós, às nossas práticas ou aos nossos ensinos.
Esses métodos incluem, mas não se limitam a: persuasão emocional e mental, manobras políticas, uso de forte personali­dade, uma boa maneira de "vender" seu produto e exibição de dons espirituais. Usando vários destes métodos, convencemos um grande número de pessoas de que nossas idéias, práticas e doutrinas são melhores, e que eles devem aderir a nós, assim formando um grupo identificável ou "igreja".
Isto, queridos irmãos e irmãs, é algo feito por mãos humanas. É um lugar onde Deus não mora e nem nunca irá morar. Não é algo feito de acordo com a visão celestial. É sim­plesmente, madeira, feno e palha.

COMO A IGREJA DE DEUS FUNCIONA
À proporção que vivemos e trabalhamos com o foco de edificarmos uns aos outros, é provável que Deus aproxime os corações de algumas pessoas. Certamente acontecerá que o amor de uns pelos outros irá crescer. Não há dúvida de que a comunhão de uns com os outros se tornará tão agradável que eles gastarão um bom tempo juntos. À medida que eles se edificam uns aos outros, Deus irá entrelaçá-los em amor (Cl 2:2). Naturalmente, eles se reunirão para louvar, orar e se edificar. Isto é algo que Deus faz acontecer normalmente, não o resulta­do de um esforço humano.
Alguém de fora, que olhe para esses relacionamentos, pode pensar que isso é uma organização. Mas, na verdade é algo orgânico, vivo, algo feito por Deus e não por homens. Essa "forma" é resultado da Vida de Deus crescendo e vivendo através dos indivíduos. Esse grupo não tem paredes. Não é se­parado do resto do corpo de Jesus. Aqueles que participam desta comunhão não são mantidos por algum tipo de artifício, doutrina, líder ou práticas humanas. Eles estão simplesmente vivendo pela Vida de Cristo e servindo uns aos outros.
O resultado disso é a manifestação do Santo Espírito. À medida que crescemos, Ele enche o templo que é formado por pessoas que têm sido edificadas por Ele. A Igreja primitiva era resultado desse tipo de ministração. Os discípulos estavam pre­gando e ensinando sobre Jesus Cristo. Eles O estavam compar­tilhando com o mundo e ministrando-O uns aos outros.
Automaticamente, eles queriam estar junto com outros que amavam a Jesus. O Senhor, então, os entrelaçava, de maneira que eles podiam ser vistos como um grupo. Mas, isto não era resultado de esforço humano. Não era Pedro, Tiago ou João usando seus dons e ministérios para atrair seguidores. Não era resultado de um esforço para organizar o que quer que seja. Era o resultado espontâneo da ministração do Espírito Santo.
Verdadeiramente o Senhor Nosso Deus não vive em uma casa feita por mãos humanas. Se o que estamos fazendo é resul­tado de nossos próprios planos, energia e esforços, então Deus não irá morar lá. Se nosso grupo é um produto de talento administrativo ou habilidade organizacional, podemos estar certos de que Ele não chamará isto de Sua casa.
Se o que estamos fazendo é realmente algo natural e terreno, mesmo se for decorado com rótulos espirituais, ele será queima­do no dia do julgamento. Não importa que pareça muito bom, não importa o que os outros pensem de nossa obra, qualquer coisa feita por mãos humanas nunca será a casa de Deus.
Queridos irmãos e irmãs, esta é uma consideração extrema­mente séria. Embora já tenhamos pensado em várias "igrejas" ou grupos religiosos como sendo santos ou algo muito especial aos olhos de Deus, está na hora - não, até já passou da hora - de olharmos para eles através dos olhos de Deus.
Com a Sua santa Palavra aberta diante de nós, vamos cuida­dosamente e com muita oração, examinar à Sua luz aquilo que estamos fazendo. As tradições dos homens junto com todos os rituais, práticas e "serviços" que os acompanham, não são e nem nunca serão o Templo do Deus vivo.
Nestes últimos dias, com a vinda do Senhor parecendo cada vez mais próxima, seria sábio que nós examinássemos nossas vidas diante de Deus. À Sua luz, vamos honestamente conside­rar a obra de nossas mãos e vamos deixá-Lo expor ou mudar qualquer coisa que não seja de autoria Dele. Que nós possamos, pela Sua misericórdia, ser considerados por Ele como constru­tores de obras de ouro, prata e pedras preciosas.
Como precisamos de uma visão celestial! Como precisamos subir à montanha de Deus e olhar em Seu coração! Como pre­cisamos construir de acordo com Seu plano celestial e não de acordo com idéias e conceitos terrenos! Sem esta revelação sobrenatural, nossa obra para Deus não será vital, penetrante e genuinamente frutífera. Além disso, ela não realizará coisa algu­ma que seja de valor eterno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário:

Facebook