Postagens

Versículo da semana:

VERSÍCULO DA SEMANA:
"E por que me chamais: Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu vos digo?" (Lucas 6:46)


Frase do momento

Frase do momento:

"Não é minha intenção atacar o denominacionalismo do cristianismo como errôneo. Eu somente quero dizer que para que o corpo de Cristo encontre uma efetiva expressão local, a base de comunhão deve ser verdadeira. E esta base é a relação de vida dos membros com o Seu Senhor e a sua desejosa submissão a Ele como o Cabeça. Tampouco estou pleiteando por aqueles que irão fazer uma seita carnal daquilo que poderia chamar de 'localismo', isto é, a estrita demarcação de igrejas por localidades. Porque tal pode ocorrer facilmente. Se o que estivermos fazendo hoje em vida se tornar amanhã um mero método, tal que seu próprio caráter alguns dos Seus forem excluídos, possa o Senhor ter misericórdia de nós e quebrar tudo!" (A Vida Normal da Igreja Cristã, capítulo 4. Grifo nosso)

4 de mai de 2011

Receba em casa gratuitamente o livro DEIXE O MEU POVO IR

Postamos mais um capítulo do "Deixe o Meu Povo Ir". Se você deseja adquirir GRATUITAMENTE em sua casa um exemplar deste livro clique AQUI  

  

                                                                                                               


DEIXE O MEU POVO IR



     
         Depois de ler os capítulos anteriores deste livro, algumas pessoas podem imaginar que estou advogando a ausência de toda e qualquer autoridade institucional no meio do povo de Deus. Elas podem pensar que estou induzindo à eliminação total de submissão à autoridade posicional e ao domínio hu­mano na Igreja. Podem ter tido a idéia de que estou sugerindo o final completo da submissão dos crentes a qualquer pastor, bispo, supervisor ou Papa, simplesmente porque eles têm algum título ou alguma posição religiosa. Se você está pensando assim, então você compreendeu claramente a mensagem. Isso é absolu­tamente correto. Estou ensinando aqui a completa liberdade para os filhos de Deus.
Mas alguns, sem dúvida, irão dizer: "Isso não resultará num caos? Os crentes não irão começar a fazer qualquer coisa que antes desejavam fazer? Sem líderes especialmente treinados em seminários, tal liberdade não iria produzir toda espécie de here­sias, seitas, pecados e um grande número de coisas más? Sem liderança oficial, a Igreja não vai simplesmente cair em pedaços?"
Há muitas coisas que precisam ser ditas com relação a estas questões. São preocupações válidas. Entretanto, é muito difícil mudar conceitos humanos. Muitos têm em suas mentes a idéia fixa de como deve funcionar a Igreja, e isso não pode mudar de um dia para o outro. Portanto, nossa discussão levará um tempo. Tentaremos verificar as muitas faces destas questões, uma por vez. Pode ser que a sua preocupação particular não seja mencionada imediatamente. Mas, por favor, seja paciente, enquanto examinamos juntos todas os aspectos.
Uma coisa precisa ser admitida por qualquer pessoa hones­ta, que olhe para a situação da Igreja como um todo, no mundo atual. Ela não é saudável, não está bem. O pecado está brotando excessivamente em seu interior.
Por exemplo, nos Estados Unidos, a imoralidade sexual -adultério e fornicação - é tão comum dentro da Igreja evangéli­ca, quanto, fora dela. Os índices de divórcio hoje são maiores dentro da Igreja do que fora. Muitos membros da Igreja estão secretamente fazendo abortos. A cada dia estão sendo expostos novos pecados escondidos. Novas divisões aparecem constante­mente. Heresias recentes e sectarismo aumentam com freqüên­cia cada vez maior.
Há muitos membros da Igreja cujas vidas são uma confusão. Muitos deles têm estado assim durante anos e parece que nunca irão mudar. Parece não existir ou ser muito pequena a transfor­mação de vidas. Grande número dos freqüentadores de igrejas é de pessoas rebeldes, egoístas, não amorosas e profanas. Muitos são desonestos, não confiáveis, rompedores de alianças, fofo­queiros, caluniadores, críticos e desobedientes. Infelizmente, em muitas igrejas, esses formam a maioria e não a minoria. Alguma coisa está seriamente errada!
Certamente há alguns focos de luz. Nem tudo está perdido. Nem tudo é trevas. Há alguns que são genuinamente conver­tidos. É possível encontrar aqueles que estão verdadeiramente procurando o Senhor. Certamente, em termos numéricos, a Igreja está crescendo rapidamente. Eu não quero ser excessivamente crítico, mas simples, total e completamente honesto sobre a verdadeira situação do povo de Deus nos dias de hoje.
Enquanto estamos sendo completamente honestos, há alguns fatos bem nítidos que precisamos admitir. Os muitos problemas que vemos, incluindo o pecado, a divisão e a heresia, não foram interrompidos ou curados pelas nossas organizações religiosas. Nossa confiança em líderes bem treinados não evitou essas coisas. Nossa dependência dos homens não solucionou os problemas.
Por exemplo, quantos líderes de seitas religiosas come­çaram como líderes em uma ou outra igreja ou mesmo se for­maram em seminários? Quantos deles estão hoje ensinando fal­sas doutrinas ou mesmo heresias?
O governo oficial na Igreja não tem cessado de espalhar o erro, a tendência para o pecado ou o problema das divisões em seu interior. Com todo o ensino hodierno sobre se submeter a um ou outro líder, a situação geral está se tornando pior. Em resumo, a liderança humana, a autoridade posicional e o con­trole organizacional claramente não conseguiram mudar as tendências pecaminosas do coração humano. Isso é algo que precisamos ser bastante honestos para admitir.
Como homens naturais, temos a tendência a olhar para insti­tuições, como a polícia, o sistema judiciário, o governo etc., como aqueles que devem subjugar as más tendências da humanidade. Achamos que as escolas devem educar e compar­tilhar valores com as nossas crianças. Sendo assim, talvez ima­ginemos que esse mesmo tipo de estrutura institucional irá nos ajudar em nossos trabalhos para Deus. Talvez esperemos que semelhantes tipos de organizações possam ajudar também a controlar as inclinações dos crentes para o pecado.
Entretanto, mesmo no mundo, essas estruturas nada fazem para transformar os corações dos homens. Por exemplo, pode ser que a ameaça da prisão possa subjugar a carne, mas nada faz para verdadeiramente alterá-la. Do mesmo modo, a autoridade posicional dentro da Igreja nada faz para transformar a alma do homem. Pode servir para subjugar as tendências más de alguns, mas nunca pode alcançar o objetivo de Deus, que é a completa transformação da alma.
Talvez, então, tenha chegado o tempo de olhar em outra direção. Possivelmente, é agora o tempo de parar nossa dependência de líderes humanos e instituições e buscar algo mais. Se formos honestos para admitir que o que está sendo feito não está funcionando, então devemos procurar uma outra resposta.
Portanto, pode ter chegado a hora de começar a confiar em Jesus. Talvez seja o tempo de nos voltarmos para o nosso Salvador ressuscitado como a ÚNICA autoridade. É possível que Ele possa dirigir bem as coisas. De algum modo, Ele pode ser capaz de tratar com o pecado, as divisões e os erros que estão explodindo ao nosso redor.
Verdadeiramente, precisamos de uma outra Cabeça. Precisamos desesperadamente de uma outra autoridade em nossa experiência como Igreja. Precisamos ter Alguém poderoso o bastante para transformar o coração humano. É apenas pela verdadeira submissão a Ele que iremos encontrar a solução para os muitos problemas da Igreja atual.
Nós, a Igreja, tentamos o caminho da autoridade humana por quase dois mil anos. Não funcionou. Agora é a hora de ten­tar à maneira de Deus. Vamos, portanto, derrubar todos os ído­los. Vamos eliminar do nosso meio todas as práticas que impeçam, limitem ou interfiram na autoridade da verdadeira Cabeça. Precisamos abandonar totalmente nossa dependência do homem e voltar nossos corações para o Senhor.
Tudo que O substitua na vida individual de cada crente pre­cisa ser posto de lado. Como precisamos de um grande arrependimento! Como o povo de Deus necessita render seus corações diante Dele e clamar por Sua liderança e autoridade em seu meio! Nossas vidas individuais necessitam desesperada­mente se submeter à Sua soberania e nossas reuniões nas igrejas estão clamando pela Sua direção!
             RESTAURANDO A VERDADEIRA CABEÇA
Esta é a grande necessidade de hoje. Precisamos restaurar a Cabeça para a Sua posição de direito sobre nós e entre nós. Precisamos entronizar Jesus como Senhor em nossas vidas e em Sua Igreja. Ele é a cura para as nossas doenças. Ele é a resposta para cada problema na Igreja. Sua liderança e Sua autoridade irão resolver todas as questões de pecado, heresia e divisão.
Precisamos Dele e somente Dele. Nenhum programa novo de encontros nos lares ou discipulado irá fazer o trabalho. Retor­nar ao Judaísmo ou "aprender a se submeter à autoridade" não irão resolver as reais necessidades. Nem grandes manifestações de dons ou milagres podem efetuar a mudança que é necessária.
O que estou advogando aqui é, na verdade, algo muito ra­dical. O que necessitamos é um novo tipo de reforma ou mesmo revolução dentro da Igreja. Martinho Lutero foi considerado um radical em seus dias. Na verdade, ele e vários outros homens trilharam um longo caminho para ajudar a Igreja a escapar da escravidão do catolicismo.
Mas eles não foram suficientemente longe. Outra mudança é necessária. Precisamos voltar aonde eles pararam e continuar a reforma, até que nada que seja humano e terreno seja deixado. Precisamos desesperadamente avançar com a limpeza do Templo de Deus, até que não restem mais altares substitutos e objetos de louvor.
Movendo-se no temor do Senhor, necessitamos voltar a Ele de todo o nosso coração. Se deixarmos qualquer "cananeu" na terra, eventualmente sua influência irá trabalhar para nos trazer de volta à idolatria e à escravidão.
Moisés gritou a faraó em nome do Senhor, dizendo: "Deixa ir o meu povo, para que me sirva..." (Êx 7:16). Muitos filhos de Deus estão hoje em escravidão a vários capatazes e são oprimi­dos por seguir as ordens de lideranças humanas. Eles estão sub­jugados por um sistema organizado de práticas religiosas. Muitos e variados líderes estão reinando sobre outros, usando seus esforços para edificar suas próprias "grandes obras" para Deus.
Os membros submissos são freqüentemente usados na construção de monumentos terrenos que declaram o sucesso e o orgulho de seus líderes. Quase invariavelmente, quanto mais bem sucedida se torna uma "igreja" ou um "ministério", mais abundante e grandioso seu edifício físico parece ser. Isso requer o trabalho e o dinheiro do povo de Deus. Creio que nestes últi­mos dias Jesus deseje libertar Seu povo de tal escravidão.
Honestamente, não temos nada a perder ao trilharmos por esse novo caminho. É dolorosamente óbvio que a Igreja de nos­sos dias não é "sem máculas ou rugas ou qualquer outra coisa" (Ef 5:27). Ela está muito longe do que necessita ser, para estar pronta ao encontrar seu Rei. Se tivermos medo de "arriscar", ao confiar plenamente em Deus, então seremos deixados somente com aquilo que já temos. Isso, queridos irmãos, não funcionou até agora e nem nunca funcionará.
O que necessitamos para prosseguir é de uma grande dose de fé. Precisamos acreditar que, se pararmos com nossas ações, direções e organizações na casa de Deus, Ele será capaz de fazer o trabalho. Precisamos crer que Jesus é apto para ser nossa Cabeça. Precisamos confiar num Senhor invisível. Temos que ter fé que, já que Ele está sustentando o Universo inteiro, poderá liderar cada membro do Seu corpo. Se não acreditarmos em Sua capacidade para fazer isso, então não iremos a lugar algum.
"Sem fé é impossível agradar a Deus" (Hb 11:6). É imperati­vo que o corpo de Cristo retorne a uma caminhada de fé com o Jesus ressuscitado. Por fé, podemos sentir Sua liderança e segui-Lo. Nenhum substituto humano, visível e tangível, poderá nos ajudar a chegar aonde precisamos estar.
NÃO EXISTE REI EM ISRAEL?
Alguns podem tentar desaprovar essa nova caminhada - de seguir um líder invisível - citando o versículo 25 de Juízes 21, que diz: "Naqueles dias, não havia rei em Israel; cada um fazia o que achava mais reto". Usando os exemplos que encontramos no livro de Juízes, de quão longe o povo pode chegar sem lide­rança, eles insistirão em que a idéia de andar sem liderança humana não pode funcionar e somente irá provocar confusão. Vamos tomar algum tempo aqui para examinar essa idéia mais profundamente.
É verdade que, quando não havia rei em Israel, cada um fazia o que era reto aos seus próprios olhos. A situação naqueles tempos era uma verdadeira confusão. Aconteciam muitas coisas bárbaras e estranhas. O povo estava completamente sem gover­no ou controle.
Mas hoje nossa situação é completamente diferente. Hoje, existe um Rei em Israel! Nós temos um Líder. Supostamente estamos em contacto com Ele e nos submetemos a este Rei. Nós temos um Mestre, um Guia, um Senhor, um Pastor (e o que mais for necessário) muito real, vivo e presente. Não deveria haver falta de autoridade e liderança para nenhum crente.
O governo de Deus, ou o Reino de Deus, está próximo. Isso significa que Ele está presente e disponível aqui e agora. A única questão é até que ponto desejamos nos submeter completa­mente a Ele.
Se formos genuinamente submissos e nos submetermos a Jesus, Ele nos guiará em cada aspecto de nossa vida. Ele nos diri­girá em nossos relacionamentos com os outros. Ele irá até mesmo nos dirigir quando estivermos reunidos em Seu Nome. Jesus deseja fazer tudo isto e muito mais e Ele é capaz disso. Simplesmente nos submetendo a Ele, encontraremos novas perspectivas de Sua verdade e Sua glória se abrindo em nossas vidas a cada dia.
Mas, se não desejarmos nos submeter ao Seu controle, se tivermos alguma resistência ao Seu governo, se formos rebeldes em nossos corações, então este governo invisível não fun­cionará. Nós não iremos ouvi-Lo, procurar por Ele e nem Lhe obedecer. Ele não será realmente o Senhor de nossas vidas.
Entretanto, se este for o caso, então, substituir a liderança de Jesus por uma outra variedade humana também não funcionará. Se os crentes se recusam a se submeter a Deus, então não serão ajudados por serem ensinados a se submeter aos homens. A solução para os crentes rebeldes é aprender a se arrepender e a verdadeiramente obedecer a Jesus. Se não desejarem fazer isso, não existe nada, além de oração, que os outros crentes possam fazer para ajudá-los.


O EXEMPLO DA ETIÓPIA
Talvez muitos imaginem que, se o peso da autoridade humana fosse subitamente retirado da Igreja, seria o caos. Outros podem pensar que a maioria dos crentes, sem o suporte das instituições cristãs, iria simplesmente se desviar. Talvez os encontros cessassem, o evangelismo se reduzisse pela metade e os ministérios desaparecessem. Todavia, temos vários exemplos na história recente que parecem falar algo diferente. Permitam-me repetir aqui uma história que eu ouvi.
Alguns anos atrás, num país chamado Etiópia, os comu­nistas tomaram o poder. Como parte de sua estratégia de criar um estado ateu, eles fecharam todas as igrejas e aprisionaram todos os pastores. Pensaram que poderiam acabar com todo o despropósito religioso.
Então, o que aconteceu? Qual foi o resultado da completa remoção de toda autoridade posicional e adereços religiosos? A Igreja foi posta de lado e se desintegrou? O resultado foi desor­dem e confusão? Não! Pelo contrário, aconteceu o oposto disso. O reavivamento irrompeu.
Sem instituições humanas e autoridades terrenas, cada pes­soa teve que procurar o Senhor por si mesma. Todos tinham que orar. Necessitavam procurar comunhão uns com os outros. Tinham que aprender a tocar em Deus por si mesmos, a ouvi-Lo e a Lhe obedecer. Sem ninguém mais para carregá-los, sem insti­tuições religiosas para supri-los com programas, atividades e entretenimentos, eles foram deixados apenas com Deus, o Único de quem podiam depender.
Segundo o relato que ouvi, quando os comunistas tomaram posse, havia cerca de 5 mil crentes no país. Em um curto perío­do de tempo, talvez alguns anos, esse número explodiu para 50 mil. A remoção dos aparatos religiosos e a ausência de todos os adereços da liderança e da autoridade humana tornou-se uma grande bênção. Deus foi realmente capaz de liderar Seu povo! Surpreendentemente, Ele foi realmente capaz de ser para eles a Cabeça sobre todas as coisas. E a Sua autoridade mostrou-se muito mais poderosa e eficaz que qualquer modelo humano.
Essas pessoas não podiam planejar reuniões. Se o fizessem, havia uma grande possibilidade de que as autoridades desco­brissem e prendessem a todos. Então eles tinham que seguir o Espírito Santo. Tinham que sentir quando e onde deveriam ir para se encontrarem com outros crentes. Surpreendentemente, quando chegavam à casa de algum irmão, muitos outros irmãos já estavam lá reunidos.
Em vez de depender de um homem para organizar e dirigir a Igreja, eles tinham que procurar a Deus. A cada dia, tinham que ouvir Dele sobre: para onde ir; a quem ministrar; com quem orar; com quem compartilhar o Evangelho. A vida deles era de total dependência de Jesus. E funcionava! Não havia confusão ali. Não havia caos. Em vez disso, todos os membros do corpo trabalhavam juntos em harmonia, simplesmente seguindo a direção da única Cabeça.
Era exatamente desse jeito que a igreja funcionava no livro de Atos. Sabemos que os crentes se reuniam diariamente de casa em casa (At 2:46). Os apóstolos estavam diariamente ensinando no Templo e também nas casas. Sem dúvida, muitos irmãos cheios de dons circulavam entre os outros ensinando, encorajan­do, orando, curando, profetizando, operando milagres etc.
Mas, quem organizava tudo isso? Era Pedro quem fazia o esquema de visitas dos pastores a várias casas? Era Tiago ou João quem planejava os  diferentes encontros nos lares ou preparava um pequeno texto para ser ensinado por algum dos líderes de grupos nos lares? Quem estava no controle? Quem estava dirigindo a igreja? Era Jesus! Era o Espírito Santo quem estava dirigindo e orquestrando todas as atividades da igreja.
Eles não precisavam de que seres humanos fizessem isso. Não precisavam depender de homens. Não havia confusão. Não era uma grande desordem. Ninguém precisava manobrar todas as coisas nem dizer a todos o que fazer. Não havia necessidade de uma grande organização e de muito planejamento. E ainda assim, tudo funcionava bem. O evangelismo acontecia. As necessidades eram supridas. Os crentes eram edificados e for­talecidos na fé.
Os muitos ministérios e encontros pareciam acontecer de uma maneira coordenada. Isto acontecia porque todos estavam sendo dirigidos pela mesma Pessoa. O próprio Senhor ressusci­tado estava entre eles, dirigindo cada aspecto da Igreja. Ele, a Cabeça, estava controlando cada movimento de Seu próprio corpo.
Como precisamos de uma dose desse tipo de cristianismo, hoje! Como nós, povo de Deus, precisamos retornar a Ele como nosso Líder, Mestre e Guia. Se nós pudéssemos, por fé, olhar para Ele, para que Ele dirigisse nossas vidas diárias e nossa experiência de corporação, não haveria limite para o que Ele poderia fazer em nosso meio. A verdade é que, em vez de ajudar a Deus com todas as nossas figuras e estruturas de autoridade, estamos realmente impedindo a Sua obra entre nós.


               RESTAURANDO A AUTORIDADE DE CRISTO
Nós, povo de Deus, precisamos retornar a uma caminhada de fé. Precisamos nos arrepender de tudo o que temos feito para substituir o Seu governo e restaurá-Lo ao Seu legítimo lugar entre nós. Já é tempo! Não, já passou o tempo de colocarmos de lado todos os substitutos, tudo o que ocupe o Seu lugar em nos­sas vidas e no meio de Seu povo. Somente deste modo começaremos a experimentar o Cristianismo do Novo Testa­mento. Somente retornando a Ele como nossa Cabeça e nosso líder, iremos ver Seu poder e Sua glória no meio de nós. Somente se reentregarmos todo poder e autoridade sobre cada membro da Igreja para Jesus Cristo é que poderemos ver um verdadeiro reavivamento como resultado. Ele é capaz e está pronto para li­derar o Seu povo.
Você vê, quando tentamos estabelecer figuras de autoridade, criamos um tipo de gargalo na Igreja. Isso é o que chamo de "problema de funil". Os homens são finitos. Seu tempo, atenção e energia são limitados. Sua capacidade, imaginação e mesmo revelação sobre a obra de Deus é restrita. Então, quando eleva­mos alguns de nós como nossas cabeças, as atividades do corpo de Cristo se tornam truncadas. Com o homem na direção, os membros não são livres para seguir Jesus. Tudo precisa ser checado através do "funil" da liderança.
Suponha, por exemplo, que a irmã Ruth sinta que o Senhor deseja que ela comece um estudo bíblico para mulheres em sua casa. Antes de fazer isso, ela precisa pedir a autorização do pas­tor. Ela não quer ser vista como rebelde. Não quer que os outros pensem que ela está desafiando a autoridade dos líderes, então precisa pedir autorização antes.
Mas, o pastor está ocupado. Talvez tenha acabado de brigar com sua mulher ou esteja em uma crise familiar. Ele reluta em que Ruth comece um estudo bíblico sem sua supervisão. O que ela poderia ensinar? O que poderia acontecer? Se qualquer coisa der errado, ele será responsabilizado e terá que extinguir o fogo. Então, ele diz: "Olhe, eu não tenho tempo para lidar com isso agora. Talvez uma outra hora. Vamos pensar nisto!", ou qual­quer outra resposta semelhante. Assim, Ruth não é realmente livre para seguir o Senhor. A liderança humana se torna um gar­galo para o fluir das direções de Deus.
Esse é apenas um entre os milhares de exemplos. Esse tipo de problema é endêmico em relação qualquer tipo de autoridade humana na Igreja. Todos os membros do corpo de Cristo têm dons. Portanto, todos se tornam ministros, exercendo seus dons em benefício de todos os outros.
Mas, nenhum homem ou mesmo nenhum grupo de homens é capaz de supervisionar tudo isso. Somente alguém infinito poderia coordenar e direcionar todas as coisas. Então, quando o homem está encarregado, uma imensa parte desse ministério desaparece. O funil no topo da pirâmide da autoridade o restringe. Ninguém é simplesmente livre para seguir o Senhor e fazer o que Ele diz. Deste modo, a autoridade humana, em vez de ajudar o trabalho de Deus, grandemente o impede.
Quantos homens e mulheres de Deus estão abandonando a fé e correndo atrás de coisas deste mundo, porque não encon­tram espaço para seus dons e ministérios na igreja? Eles não se adéquam ao programa. As atividades do grupo simplesmente não dão tempo ou espaço para eles. Seus dons e seus chamados não são reconhecidos.
Talvez a estrutura organizacional só tenha deixado lugar para uns poucos membros cheios de dons, enquanto o resto só pode se sentar passivamente nos bancos e ouvir. Talvez o líder se sinta ameaçado pela unção ou dons de outros, então ele os lança fora. Esse e muitos outros males são o resultado da autori­dade humana e da estrutura terrena na igreja.
Mas, que diferença quando Jesus está na liderança! Então todos os membros são livres para funcionar, enquanto Ele os dirige. Seus dons e talentos são necessários. É precisamente "o auxílio de todas as juntas" (Ef 4:16) que algum outro membro está precisando para derrotar seu pecado, ser curado de alguma doença ou liberado de alguma força dominadora.
Com Jesus dirigindo todos os movimentos de Seu corpo, cada necessidade é suprida. O poder do Espírito Santo está mais em evidência, já que cada um está respondendo a Ele e Lhe obe­decendo. O corpo é edificado muito mais rápido e eficiente­mente, porque cada um está fazendo o seu trabalho sem restrições. Tudo é bem coordenado, porque uma única Cabeça está no comando.
Talvez o irmão Felipe, o evangelista, pudesse ser um bom exemplo aqui. Ele sentiu que o Espírito Santo estava lhe dizen­do para ir até o meio do deserto e permanecer lá (At 8:26). Isto parece ser um estranho tipo de liderança.
Então, o que fez ele? Foi pedir permissão a Pedro? Foi pedir conselho a João? Será que Tiago o aconselhou desta forma: "Olhe, irmão, isto parece estranho. Por que Deus iria querer você no meio do deserto? Provavelmente foi apenas imaginação sua ou um espírito mau. Precisamos dos seus dons aqui, onde estão os crentes, e não no meio do deserto. Não, acho que você não deve ir."
Em vez disso, Felipe obedeceu a Deus. Conseqüentemente, levou um servo da rainha da Etiópia a Cristo e, muito provavel­mente, uma nação inteira foi impactada com o evangelho naque­le tempo. O resultado de sua obediência foi fruto espiritual. É precisamente assim que deveria ser hoje, se déssemos a Deus a chance de nos liderar.


               O QUÊ? TORNAR TODO MUNDO LIVRE?
Então, se simplesmente deixarmos todos crentes seguirem Jesus, o que acontecerá? Pelo lado positivo, creio que um reavivamento poderá irromper. Muitos dons e ministérios serão li­berados. Muitos crentes serão desafiados, quer eles tenham ou não tido um compromisso com o Senhor. O corpo de Cristo será edificado muito mais rápida e eficientemente. O poder de Deus será visto em Sua Igreja. Até mais do que isso, Ele virá e fará morada entre nós.
Pelo lado negativo, haveria a possibilidade de se cometer erros. Alguns iriam pecar; outros iriam se desviar. Outros ainda iriam apostatar. Sem dúvida, haveria um risco de erro e/ou heresia. Certamente, nos tempos do Novo Testamento, tais coisas também ocorreram. Mas, tais pecados e erros não seriam diferentes dos que temos hoje. As coisas negativas que poderi­am acontecer já estão acontecendo em grande abundância na Igreja de nossos tempos. Então, não há realmente riscos. O único risco é não fazer o que Deus está nos dirigindo a fazer. O único perigo está na desobediência. Dois mil anos de controle humano na Igreja não nos levaram à meta. Então, vamos tirar nossas mãos do controle e deixar Jesus Cristo reinar supremo sobre nós.
Se, subitamente, todos os crentes fossem libertos da autori­dade humana, então eles teriam que afundar ou nadar. Seriam confrontados com a necessidade de procurar a Deus por si mes­mos. Teriam que aprender como ouvi-Lo e como segui-Lo. Seriam pressionados a conhecer Sua palavra e a serem capazes de sentir Sua presença. Muitos devem supor que a maioria iria afundar. Acredito que nos surpreenderíamos com tantas pessoas que conseguiriam nadar.
Não é como se não houvesse ajuda para os fracos. Deus nunca deixaria perecer alguém cujo coração estivesse aberto para Ele. Além disso, no corpo de Cristo existem muitos mem­bros cheios de dons que ministrariam àqueles que estivessem em dificuldades. Entretanto, essa ministração não deve ser para trazer de volta à escravidão da liderança humana, mas uma ajuda aos fracos para que conheçam Jesus por si mesmos. Através do poder do Espírito Santo e de Seu ministério, acredi­to que cada um, que realmente tenha um coração puro para seguir Jesus, iria certamente aprender a nadar.

                O PERIGO DA ORGANIZAÇÃO
No Novo Testamento, quase nada na igreja era organizado. Ali temos pouquíssimos exemplos de "planejamento". De fato, é impressionante como eles tinham pouca organização. Todavia, este autor não está insistindo que é antibíblico organizar alguma coisa. Verdadeiramente, é impossível viver sem qualquer forma de planejamento. Por exemplo, se telefono para um amigo e o convido para jantar, organizei algo antes. Se concordo em me encontrar com alguém em um tempo e um lugar determinado, nosso encontro foi organizado anteriormente, de alguma forma.                                                                                                                   
À medida que vivemos, sempre necessitaremos ter alguma forma de organização.
O perigo da organização é este: uma vez que é colocada em movimento, pode facilmente permanecer em movimento. Pode adquirir uma vida própria. Uma vez que os elementos essenci­ais de qualquer obra ou esforço são estabelecidos, torna-se fácil as coisas seguirem em frente desta forma. A Companhia FORD é um bom exemplo disto. Henry Ford está morto. Ele morreu há bastante tempo. Entretanto, a companhia que ele organizou, continua existindo até hoje.
Muitas obras para o Senhor também estão nesta categoria. Podemos admitir, como argumento, que uma ou outra obra foi iniciada por Jesus. Talvez Ele tenha levado algum filho Seu a tra­balhar para Ele, de algum modo específico. Mas, e hoje? Esta ainda é a Sua vontade? Ele ainda está no comando de tudo? Ou será que o Espírito Santo Se mudou e alguém ainda está tentan­do fazer funcionar o que agora é realmente uma forma vazia?
Parte do perigo é que as pessoas tendem a gostar de coisas bem organizadas. Querem coisas previsíveis. Sentem-se con­fortáveis com algo bem estruturado e bem dirigido. Elas têm pouca necessidade de buscar o Senhor sozinhas. Sua carne pode relaxar e acreditar que tudo está sendo cuidado. Coisas fami­liares fazem pessoas sentirem-se bem e seguras, e muitas real­mente gostam desse sentimento.
Quando as coisas são organizadas, os crentes não têm que estar em um constante e vivo contato com Jesus. Não precisam: se exercitar para procurá-Lo a cada momento; estar prontos para obedecer; ministrar ou fazer algo para Ele. Com uma organiza­ção, não necessitam estar preparados para mudar suas ativi­dades, seus empregos ou mesmo o lugar onde vivem. Podem simplesmente se sentar e deixar a organização dirigir seus encontros e suas vidas.
Mas, nossa vida com o Senhor é nova a cada manhã (Rm 6:4). Enquanto Ele estava na Terra, estava constantemente fazen­do algo diferente. Sua vida estava bem distante da rotina. A cada dia, os discípulos eram surpreendidos pelo que Ele fazia, pelos lugares onde Ele ia e pelo que Ele dizia. Portanto, podemos estar certos de que a Sua liderança na Igreja e em nossas vidas indi­vidualmente será desse jeito também. Precisamos ter a flexibili­dade para nos mover e mudar o rumo com Ele a qualquer momento.
A experiência dos filhos de Israel no deserto é um excelente exemplo disso. Eles seguiam o Deus vivo que Se manifestava na coluna de fogo e na nuvem. Quando Ele Se movia, eles tinham que estar prontos para se moverem também. A nuvem ou a co­luna de fogo podia se mover a qualquer momento do dia ou da noite. Eles tinham que estar sempre prontos (Êx 13:21,22 e Êx 40:36,37).
Talvez eles ficassem num lugar por uma hora, uma semana, meses ou mesmo um ano. Mas, a qualquer momento, Deus podia Se mover e eles tinham que estar prontos para embrulhar tudo em um instante e partir.
Até mesmo o Tabernáculo, que Deus instruiu Moisés a cons­truir, foi feito com essa intenção. Ele era portátil. Era facilmente desmontável e pronto para se mover. A prontidão para aban­donar nossas práticas e comportamentos estabelecidos, horários e lugares de encontros e todos os hábitos religiosos arraigados deve também ser a nossa atitude.
Desta forma, a chave para qualquer organização, de qual­quer encontro, ministério ou obra para Deus, é sermos conduzi­dos pelo Espírito Santo. É a Sua direção que precisa iniciar qual­quer coisa. É Ele quem precisa estar nos liderando em tudo o que fazemos. Além disso, precisamos ser intensamente sensíveis a Ele para desmantelar qualquer coisa organizada previamente sem a Sua direção. Precisamos estar constantemente sintoniza­dos com Ele para frear tudo que foi colocado em movimento sem a Sua liderança.
É essencial que preservemos Sua soberania sobre todas as coisas, especialmente sobre algo que tenha a tendência a se tornar organizado e, portanto, rotineiro e previsível. De outro modo, logo seremos deixados com uma forma vazia. Teremos apenas algo que Deus usou e abençoou em algum momento no passado, mas hoje é um simples modelo ou fórmula sem o con­teúdo divino.
Um dos poucos exemplos do Novo Testamento de algo sendo organizado foi a escolha dos diáconos em Jerusalém (At 6:1-7). Ali surgiu um problema. Algumas viúvas estavam sendo negligenciadas quando a comida era distribuída. Evidente­mente, isso era feito de uma maneira esporádica e acidental, e algumas viúvas "helenistas" não estavam sendo atendidas. Então, elegeram-se alguns homens para tomar conta desse tra­balho.
Mas, por favor, preste atenção ao tipo de homem que eles escolheram. Qualquer um pode distribuir comida. Até mesmo um ímpio poderia tomar conta de um trabalho assim e tudo cor­rer muito bem. Entretanto, eles foram cuidadosos em selecionar homens com uma certa virtude: eram especialmente "cheios do Espírito Santo" (vs. 3). Os apóstolos e os outros estavam preocu­pados com que este trabalho fosse algo dirigido por Deus. Não era suficiente simplesmente suprir necessidades. Eles queriam estar certos de que o que estava sendo feito era iniciado, con­duzido e, se necessário, terminado pelo Senhor. Então, sele­cionaram homens que sabiam como segui-Lo.


              LIBERDADE GLORIOSA PARA OS FILHOS DE DEUS
Somos chamados para "a gloriosa liberdade dos filhos de Deus" (Rm 8:21). Fomos libertos do pecado. Fomos libertos da lei. À medida que entendemos mais perfeitamente os caminhos de Deus, estaremos libertos da escravidão de estar "debaixo" de autoridades religiosas também. Os filhos de Deus não devem estar sujeitos a qualquer variedade de servidão terrena. Paulo vai mais longe e diz que, devido a essa tremenda liberdade, "todas as coisas são lícitas" (1 Co 6:12, 10:23) para o crente. Um cristão é livre para fazer tudo aquilo que ele escolher.
No princípio, Deus deu a Adão e a Eva, o livre arbítrio. Eles podiam fazer tudo aquilo que quisessem. Somente uma coisa era proibida. Mas, mesmo isso estava disponível para eles. A árvore do conhecimento do bem e do mal estava bem diante de seus olhos. O Senhor lhes dera até mesmo o direito de fazer a escolha errada. Ele nunca interferiu, mas deixou-os tomar sua próprias decisões.
Do mesmo modo, hoje qualquer cristão tem total liberdade de escolher o seu próprio caminho, sem ser impedido por qual­quer autoridade religiosa. Será que devemos dar uns aos outros menos liberdade do que Deus nos dá? Será que estamos em uma posição capaz de restringir a completa liberdade dos outros, de um modo que nem o Senhor o faz? A resposta é clara: não! Assim como nossos ancestrais no jardim tiveram liberdade para escolher, também hoje cada crente deve ter completa liberdade de escolha.
Todavia, esta grande liberdade se torna uma prova para nós. Nossas escolhas irão nos expor: O que exatamente está em nos­sos corações? Estamos realmente procurando por Jesus e por Seu Reino de todo o nosso coração? Ou há outras coisas escon­didas em nossas almas? Desejamos verdadeiramente agradá-Lo em todas as coisas ou estamos brincando com o Seu perdão e a Sua graça? Como estamos usando nossa liberdade?
A completa liberdade irá expor como realmente está o seu coração no relacionamento com Jesus Cristo. O que você faz, diz ou pensa, quando não há uma autoridade humana observando você, revela o que realmente existe em seu interior.
Se quando considera sua verdadeira posição de liberdade, você para de orar muito, isso diz algo. Se você não medita mais diariamente na Palavra de Deus, procurando Sua vontade e re­velação, isso também fala alto. Se você abandona o hábito de diariamente procurar seus irmãos para comunhão e oração, isso também está revelando algo.
Se encontrar outros crentes para louvar o Senhor e compar­tilhar não alegra o seu coração, isso expõe o estado real de seu coração. Se andar lado a lado com Jesus e ser agradável em tudo (Cl 1:10), em cada aspecto e detalhe de sua vida, não é o seu foco e deleite, então isso certamente fala muito alto. Se existe alguém que não está realmente comprometido com o Senhor, se por acaso há alguns cuja participação na comunidade cristã não é baseada em submissão e amor a Jesus, a verdadeira liberdade irá mostrar quem eles realmente são.

EXPONDO O PECADO
Como pôde ser visto, essas falhas não podem ser sanadas pela submissão ao homem e não podem ser consertadas pela insistência na obediência à autoridade posicional. De fato, é somente quando tal autoridade é removida que as atitudes reais do coração são expostas. Muitas vezes, a submissão à autori­dade humana só serve para encobrir esses e muitos outros pro­blemas. Facilmente começamos a estar "servindo à vista, como para agradar a homens", em vez de agir "como servos de Cristo, fazendo, de coração, a vontade de Deus" (Ef 6:6).
As metas dos cristãos podem facilmente passar à tentativa de satisfazer às demandas de um líder humano ou de algum grupo religioso em particular, enquanto realmente negligenciam às de nosso Senhor. Se nossa figura de autoridade fica satisfeita com nossa conduta, naturalmente achamos que Jesus também ficou. Quando os padrões de nosso grupo religioso são atingi­dos, fica fácil supor que estamos bem com Deus. Desta forma, tal submissão trabalha para esconder o pecado em vez de o expor.
Mas Deus vê as profundezas de nosso coração. Ele sabe o que está lá, mesmo que esteja escondido. Nenhum conselheiro ou pastor pode fazer tal coisa. Os homens são fáceis de enganar. No entanto, "...todas as coisas estão descobertas aos olhos daquele a quem temos de prestar contas" (Hb 4:13). Deus sabe todas as coisas. Você pode esconder algo dos outros. Você pode até mesmo tentar esconder de si próprio, mas Jesus "...sonda as mentes e os corações" (Ap 2:23).
Uma grande parte da obra de Deus em nossas vidas é expor o pecado. Seu propósito é que nos vejamos como realmente somos, nos arrependamos de todos os nossos pecados e sejamos transformados pela obra do Espírito Santo. O trabalho do Consolador que Jesus enviou foi justamente este: convencer o mundo do pecado (Jo 16:8). Talvez esta seja uma razão pela qual recebemos tão grande liberdade. Ela expõe justamente quem e o quê realmente somos.
O modo como você usa a sua liberdade mostra o que vai em seu coração. Ele revela se você está realmente bem com Deus e caminhando em intimidade com Ele. Portanto, liberdade total é uma experiência absolutamente essencial para cada crente. Se você nunca a experimentou, então deve procurar fazê-lo. À medida que você a desfruta, começará a se enxergar à luz de Deus. Suas escolhas, ações e palavras revelarão quem e o quê você realmente é.
Se o seu coração procura realmente pela justiça de Deus e pelo Seu reino, isso lhe será mostrado. Se há outras prioridades dentro de você, isso também será exposto. Foi o Senhor Jesus Cristo quem deu a você essa liberdade. É vontade Dele que você a experimente. Somente deste modo, você pode se ver à Sua luz e ser transformado naquilo que Ele é. Sem tal liberdade, a obra de Deus não pode se completar em sua vida.
Sim, em qualquer lugar em que haja liberdade, existe um perigo. É o perigo do povo usá-la de maneira errada. A liber­dade nos dá a opção de simplesmente agradar a nós mesmos. Também é possível que um cristão abuse da bondade de Deus e a use como um meio para satisfazer a carne e pecar.
Paulo nos exorta a sermos cuidadosos e a não usarmos nossa liberdade para "...dar ocasião à carne", para satisfazer seus dese­jos pecaminosos (Gl 5:13). Ele ensina que, ao contrário, devemos usar nossa liberdade para nos tornar servos de outros irmãos e irmãs. Devemos nos entregar por Seu amor a ajudá-los a crescer na plenitude de Deus. Além disso, nos adverte que, por causa de nossa liberdade, há o perigo de nos tornarmos envolvidos de novo no jugo da escravidão do pecado ou da lei (Gl 5:1). A instrução de Paulo é que sejamos libertos da lei para pertencer­mos a outro, àquele que ressuscitou dentre os mortos (Rm 7:4).
Assim, vemos que a meta não é viver sem restrição ou autoridade, mas se submeter voluntariamente a Jesus. O objeti­vo de nossa liberdade não é nos tornar um tipo de "espírito livre", circulando por aí a fazer tudo o que nos dá vontade, mas escolher sujeitar nosso corpo, alma e espírito a Jesus Cristo.
Dando-nos completa liberdade, Deus está nos testando. Nossa liberdade total se torna uma espécie de instrumento de prova para ver o que realmente está em nossos corações. Nesta era da graça, nosso Senhor não está impondo Sua autoridade a ninguém. Ele nunca nos pressiona à submissão. Qualquer pequena resistência de nossa parte interrompe Sua obra em nos­sas vidas.
Com a liberdade, vem a responsabilidade. Tornamo-nos res­ponsáveis por nossas escolhas diante de Deus. Quando uma outra pessoa está dirigindo a nossa vida, é fácil imaginar que ela seja responsável pelos resultados. Mas, quando temos a liber­dade de escolha, então somos nós que temos que suportar a responsabilidade das conseqüências.
Algum dia, quando Jesus voltar, Ele nos julgará por aquilo que fizemos com a liberdade que Ele gratuitamente nos deu. Cada um de nós deveria estar vivendo, lembrando constante­mente de que esse julgamento virá.

4 comentários:

  1. Irmão Dong e seus cooperadores levaram o Brasil inteiro p/ rebelião, e agora toda essa confusão! até que enfim alguém desse meio, consegue ver seus desvios, no meio de tanta ceguera espiritual, nesse tempo de trevas, vai surgir nesse meio muitas divisões, grupos livres, etc irmãos revoltados, decepcionados com todo esse sistema de engano.

    ResponderExcluir
  2. É cego quiando outros cegos.....

    ResponderExcluir
  3. Não reconheço autenticidade naquilo que não tenha origem no Cabeça, toda e qualquer forma utilizada para servir ou fazer a obra de Deus na terra, precisa vir do Senhor. Quando estabelecemos um tipo de mover e colocamos isso como uma visão recebida de uma comunhão particular com Deus, e a partir dai estabelecemos descriminadamente se considerar os membros do corpo esse mover como imposição e meta para ser habilitado para reinar no mundo que há de vir como coloca Dong, começa a duvidar se de fato tudo isso é puro, quando eu ouço uma pessoa que até então é tida como o ungido, o apostolo, dizendo que os tres vaporzinhos são o Deus triuno, e que os tres niveis da franquia são respectivamente ouro, prata e pedras preciosas, então confesso do fundo do meu coração e afirmo na presença do SEnhor que isso não vem Dele. Quando ouço uma pessoa que se diz lider de uma instituição dizer que se uma irma casada quiser praticar o bookafé seu marido tem que apoiar, tirando assim a autoridade estabelecida pelo proprio Deus no Eden para a relação marido e mulher, me pergunto se não esta na hora de considerarmos se de fato Deus está falando por meio dessa pessoa. Estou claro de que a divisao tem um lado que muito ainda não viram manifestar os aprovados. Não necessariamente a maioria o é, o certo é que aqueles que se mantem fieis aos principios estabelecidos como praticas saudaveis segundo o ensinamento dos apostolos esses sim passam diante do Senhor ainda que a minoria a sustentar o testemuho da igreja numa cidade. Nossa divisão não é para estabelecer uma "outra igreja", nossa divisão é para marcar nossa posição de que não aceitamos arrogancia e prepotencia de pessoas que julgam ser donas da liberdade de outras, nossa divisão é para declararmos que como igreja somos desejaveis e livres, e não estamos debaixo de jugo algum, estamos debaixo da liberdade do Espirito, que nos ensina a respeito de todas as coisas, e nos dá a sensibilidade de percebemos o que é um desvio. Hoje é nitido que no meio desta instituição religiosa, temos de maneira muito sutil a pratica do nicolaismo, e agora o comercio se tornou o estandarte dela.Um lugar com tal esfera é impossivel sobreviver. Não se pode opor, não se pode questionar, tem que ser de acordo com a visão do ungido. Mt 24:12 fala de multiplicar a iniquidade. Ez 28:16 fala de multiplicação do teu comercio. a semelhança entres essas duas passagens é mera coincidencia? ou é uma resposta de Deus quanto a origem do comercio na igreja? Isso é algo do inferno, que tem tido uma maquiagem espiritual, e ainda assim mutos amados imaginando ser algo de Deus, aceitam e se sujeitam sem mesmo conhecer os designos de tudo isso. BOOKAFÉ é a porta do hades na igreja. Sai dela povo meu não seja cumplice dos seus pecados

    Márcio Albino Passos

    ResponderExcluir
  4. Amém Bem claro e explicado, não adianta explicar que é p/ avanço do evangelho, realemte o Senhor não precisa "desses meios", limitamos a obra em um Bookafe, vergonhoso!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário:

Facebook