Postagens

Versículo da semana:

VERSÍCULO DA SEMANA:
"E por que me chamais: Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu vos digo?" (Lucas 6:46)


Frase do momento

Frase do momento:

"Não é minha intenção atacar o denominacionalismo do cristianismo como errôneo. Eu somente quero dizer que para que o corpo de Cristo encontre uma efetiva expressão local, a base de comunhão deve ser verdadeira. E esta base é a relação de vida dos membros com o Seu Senhor e a sua desejosa submissão a Ele como o Cabeça. Tampouco estou pleiteando por aqueles que irão fazer uma seita carnal daquilo que poderia chamar de 'localismo', isto é, a estrita demarcação de igrejas por localidades. Porque tal pode ocorrer facilmente. Se o que estivermos fazendo hoje em vida se tornar amanhã um mero método, tal que seu próprio caráter alguns dos Seus forem excluídos, possa o Senhor ter misericórdia de nós e quebrar tudo!" (A Vida Normal da Igreja Cristã, capítulo 4. Grifo nosso)

19 de ago de 2011

Venere, mas não idolatre.

 Nestes últimos tempos, a iniquidade e a apostasia mostram-se tão sutis, pegajosos e resistentes quanto uma fina teia de aranha. Precisamos de muita luz, discernimento e misericórdia do Senhor para não ficarmos (novamente) enroscados nesta maligna teia e não cairmos em mais uma organização religiosa com aparência de igreja.


Para preservar sua hegemonia e  manter a unidade, a igreja católica usa a Bíblia com muita artimanha e raciocínios falazes na sua argumentação contra as acusações de idolatria. Certamente ela não se considera idólatra. Com muita loquacidade, explica o inexplicável, convencendo os seus fiéis seguidores de que veneração não é idolatria e que o Bezerro de Ouro é perfeitamente normal e aceitável. Os cristãos, por não manejarem bem a Palavra e/ou não terem contato íntimo com o Senhor, acabam sendo seduzidos pelos argumentos dela. E seguem beijando o anel de Papas e Apóstolos vivos, desenterrando e beatificando Papas e Apóstolos mortos, comprando velas, cruzes, imagens, rosários, arcas, candelabros, óleos, água do rio Jordão, livros, Jornais, cafés, xícaras etc. Confira mais detalhes sobre o comércio na IAV.
De igual modo os seguidores do LSM (Living Strean Ministry) idolatr...veneram W. Nee e W. Lee, os "apóstolos da era". Acreditam que a unidade da igreja só pode ser mantida se houver uma única publicação (a do LSM é claro) e que Deus já revelou tudo o que tinha para revelar para o Seu povo através destes dois homens.
Da mesma forma, os membros da IAV (Igreja Árvore da Vida) idolat...veneram Dong Yu Lan como "o apóstolo" (também alcunhado como o "Moisés" e o "Noé") e suas incríveis visões empreendedoras, as quais tem o "nobre encargo" de trazer o reino dos céus para a terra através de muitos livros, cafés, iogurtes e pães-de-queijo.
Por outro lado, todos os que pensam ter saído do sistema, mas que continuam  idolatran...venerando homens como Hélcio, Borneli, Dyer ou quem quer que seja, precisam ler o argumento católico que se segue. Quem sabe com isso a nossa consciência também pode ficar mais tranquila.


"Mas o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque eu o rejeitei; porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem olha para o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração." (1Samuel 16:7)


"Sendo Jesus interrogado pelos fariseus sobre quando viria o reino de Deus, respondeu-lhes: O reino de Deus não vem com aparência exterior"; (Lucas 17:20)



Veneração

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Veneração de imagens)

Duas mulheres ortodoxasajoelhando-se diante de um ícone deJesus e demais santos na Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém.
Em alguns ramos do cristianismoVeneração (do latim veneratio, do grego δουλια, "douleuo" ou "dulia", que significa "honrar") ou Veneração dos santos descreve uma especial devoção aos santos, que são considerados modelos de vida cristã que gozam no Céu da vida eterna, podendo interceder pelos fiéis, sendo a veneração uma forma de prestar-lhes respeito. O Culto Divino está devidamente reservado apenas para Deus (latria) e nunca para o santos. Embora o termo "veneração" ou "culto" seja frequentemente utilizado, verdadeiramente significa apenas prestar honra ou respeito (Dulia) aos santos. Veneração não deve ser confundida com idolatria.
A Veneração é demonstrada externamente pela reverência à ícones de santos e relíquias, pois as imagens são consideradas como "fotografias de nossos parentes, servindo para nos lembrarmos dos santos homens do passado".[1] E "aquele que se prostra diante do ícone, prostra-se diante da pessoa (ahipóstase) daquele que na figuração é representado"[2]. Exemplos de confecção de imagens e veneração podem ser encontrados na Bíblia em Ex 25,17-22Nm 21,8-91 Cr 28, 18-19; e etc. É praticado pelaIgreja CatólicaOrtodoxaNestorianaNão-calcedonianas e alguns grupos da Comunhão Anglicana eLuterana.[3]
Registros das comunidades cristãs primitivas indicam que estes representavam Jesus com imagens ouiconografias, como um Bom Pastor, e posteriormente foram descobertas esculturas de Cordeiro Pascal,Peixes e outros ícones representando a vida de Cristo. Desde o século II os cristãos preservavamrelíquias de mártires[4], oravam pelos mortos e acreditavam na intercessão dos santos,[5][6] essas práticas eram conhecidas por alguns antigos grupos judeus, e especula-se que o cristianismo pode ter tomado a sua prática similar. O Papa São Gregório Magno no século VI insistiu no caráter didático das pinturas nas igrejas, para evangelizar os analfabetos[7]. Posteriormente o Segundo Concílio de Nicéia, realizado em 787, declarou a legitimidade de utilizar imagens. Em 1987, por ocasião do XII Centenário do II Concílio de Nicéia, o Patriarca de Constantinopla Demétrio I[8] e o Papa João Paulo II[7] reafirmaram como legítima esta doutrina.

Índice

 [esconder]

[editar]Veneração e Adoração

diácono e dr. Mark Miravelle da Universidade Franciscana de Steubenville, falou sobre veneração e adoração:
Adoração, que é conhecido como latria clássica em teologia, é o culto e a homenagem que é justamente oferecida somente a Deus. É o reconhecimento de sua excelência e perfeição divina. É a adoração do Criador que só Deus merece. Veneração, conhecido como dulia clássica em teologia, é a honra, devido à excelência de uma pessoa. (...) Podemos ver um exemplo de veneração geral em eventos, como a atribuição de bolsas de excelência acadêmica na escola, ou a atribuição de medalhas olímpicas para a excelência no esporte. Não há nada contrário à adoração de Deus, quando oferecemos a devida honra e reconhecimento de que as pessoas merecem baseada na realização de sua excelência. (...) A devoção de uma pessoa aos santos (...) não acaba com os santos em si, mas sim, em última análise, chega a Deus através dos santos. Este é um elemento importante para a adequada e autêntica compreensão da devoção aos santos (...). Prestar honra à um santo (...) em união amorosa com Deus é também homenagear o objeto de sua união amorosa: o próprio Deus, pois «quem honra seu irmão, também honra à Deus (Mateus 25, 40)».[9]

[editar]Fundamentação na Bíblia

[editar]Sobre a intercessão dos santos


Afresco de um grupo de santosno Céu, do Monastério de Rozhen,Grécia.
Cquote1.png"E o Senhor disse-me: ainda que Moisés e Samuel se pusessem diante de mim, meu coração não se voltaria para esse povo; tira-os da minha face e retirem-se" (Jer 15, 1). No tempo de Jeremias, Moisés e Samuel estavam mortos, mas sua possível intercessão é confirmada pelo próprio Deus: "ainda que Moisés e Samuel se pusessem diante de mim...", ou seja, eles poderiam se colocar diante de Deus, intercedendo e pedindo clemência para aquele povo.
"Então tomando-lhe a palavra, disse-lhe Onias: "Eis o amigo de seus irmãos, aquele que reza muito pelo povo e pela cidade santa, Jeremias, o profeta de Deus." (II Macabeus 15,14). Jeremias já estava morto nesta época, e Onias relata que ele está intercedendo e orando pela cidade de Jerusalém.
Cquote2.png
Os católicosortodoxos e anglicanos acreditam que Maria, os Anjos e os Santos são seres espirituais que oram no Céu pelos pedidos e súplicas dos homens, intercedendo junto de Deus, é o dogma dacomunhão dos santos. Os santos conhecem as preces a eles dirigidas por dom de Deus, de quem vem“todo dom melhor e todo dom perfeito” (Tg 1, 17). A passagem mais significativa é Apocalipse 5, 8, em que São João diz que Deus recebe as orações dos santos. Outras passagens bíblicas dizem que os"santos são como os anjos de Deus no céu" (Mateus 22, 30). Zacarias diz: "que o anjo intercedeu por Jerusalém ao Senhor dos exércitos"(Zc 1, 12 -13). O próprio Jesus fez uma narrativa de uma intercessão, em que uma pessoa que se encontrava no inferno implorava a Abraãoque mandasse alguém para lhe refrescar a língua com água (Lucas, 16, 19-31).
Os referidos grupos religiosos também acreditam que Cristo seria o único mediador de redenção e salvação perante Deus, conforme relatado em 1 Timoteo 2:5-7, quando São Paulo diz "Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo, homem que se entregou como resgate por todos. Tal é o fato atestado em seu tempo", como Paulo escreve "homem que se entregou como resgate por todos" ou seja para a salvação de todos, afirmando que os santos poderiam interceder em outras questãos, mais cabe unicamente a Cristo a mediação de salvação, também sustentam que podem haver mediadores que dependem de Jesus, como Maria, considerada medianeira.

[editar]Sobre a confecção de ícones


Na Bíblia existem alguns exemplos em que Deus mandou confeccionar imagens para o uso religioso:
Cquote1.png"Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, 


nem nas águas debaixo da terra." (Ex 20:4). Os referidos grupos religiosos acreditam esta passagem teria proibido apenas a representação simbólica de Deus sob a forma de um astro e de um pássaro (que são o "que há em cima nos céus"), de um homem, de uma planta ou animal ("em baixo na terra" - como ocorreria com o Bezerro de Ouro), ou de um animal aquático ("nas águas") (Dt 4:16-18).[10]
"Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido os farás, nas duas extremidades do propiciatório. Farás um querubin na extremidade de uma parte, e outro querubin na extremidade de outra parte; de uma só peça com o propiciatório fareis os querubins nas duas extremidades dele." (Ex 25,18-19)
“E disse o Senhor a Moisés: Faze uma serpente ardente e põe-na sobre uma haste; e será que viverá todo mordido que olhar para ela. E Moisés fez uma serpente de metal e pô-la sobre uma haste; e era que, mordendo alguma serpente a alguém, olhava para a serpente de metal e ficava vivo.” (Nm 21,8-9)
Cquote2.png
Estes grupos religiosos utilizam objetos tais como cruzesíconesincensovelas e etc. Eles acreditam que a proibição de fazer imagens de Deus no mandamento do Antigo Testamento, devia-se ao fato de que Deus era invisível e retratá-lo seria realmente errado, mas que a encarnação de Deus em seu Filho, Jesus Cristo"O Verbo se fez carne" (Jo 1:14), assim o Deus invisível se tornou visível em Cristo (Colossenses 1:15) e, portanto é admissível que se retrate Jesus. A Igreja ortodoxa ensina que a encarnação de Jesus torna obrigatório a confecção e veneração de seus ícones, a fim de preservar a verdade da Encarnação, pois não venerá-los implicaria negar que Jesus foi totalmente Deus, e negar que Ele tinha um corpo físico real. No entanto, os ortodoxos não utilizam estátuas, mas apenas pinturas. [11]

[editar]Sobre a veneração

Exemplos de veneração são demonstradas na Bíblia:
Cquote1.png"Abraão levantou os olhos e viu três homens de pé diante dele. Levantou-se no mesmo instante da entrada de sua tenda, veio-lhes ao encontro e prostrou-se por terra” (Gn 18,2)
"Moisés saiu ao encontro de seu sogro, prostrou-se e beijou-o. Informaram-se mutuamente sobre a sua saúde e entraram na tenda" (Ex 18,7)
"Josué rasgou suas vestes e prostrou-se com a face por terra até a tarde diante da arca do Senhor, tanto ele como os anciãos de Israel, e cobriram de pó as suas cabeças." (Josué 7, 6)"
Cquote2.png
Na passagens acima, Abraão e Moisés põem-se de joelhos como forma de respeito e veneração por outros homens ou seres espirituais (anjos no caso de Abraão), o ato de súplica não é um ato de adoração, mas de humildade, onde eles reconhecem no outro sua superioridade ou seu poder de atender-lhe um pedido. Porém a passagem mais significativa é a de Josué, em que ele se prosta diante daarca da aliança, sendo um exemplo explícito de veneração de uma imagem ou objeto. Portanto a própria Bíblia difere a adoração (latria) de veneração (dulia).[12]

[editar]Sobre as relíquias

Cquote1.png"Deus fazia milagres extraordinários por intermédio de Paulo, de modo que lenços e outros panos que tinham tocado o seu corpo eram levados aos enfermos; e afastavam-se deles as doenças e retiravam-se os espíritos malignos." (At 19, 11-12). Nesta passagem bíblica é relatado que Deus por meio dos lenços e panos de São Paulo curava doentes .Cquote2.png

Os referidos grupos religiosos conservam e atribuem milagres à relíquias, ou seja, ossos ou objetos de santos e mártires, porém não acreditam que o milagre é produzido "materialmente pelas relíquias", mas pela vontade de Deus através delas. No Antigo Testamento os hebreus já tinham este costume, por exemplo, Moisés levou do Egito o corpo de José (Ex 13, 19), um morto ressuscitou ao contato dos ossos do profeta Eliseu (II Reis, 13, 21). No Novo Testamento a sombra de São Pedro curava doentes (At 5, 15). Na Igreja Primitiva Santo Inácio de Antioquia, devorado por leões no Coliseu de Roma, teve alguns ossos recuperados por seus discípulos e levados para Antioquia(no ano 107) para serem venerados. O mesmo ocorreu com São Policarpo, bispo de Esmirna (166), queimado vivo; os seus restos foram recuperados e venerados[13]. Registros indicam que desde o século II, o túmulo com os restos mortais de São Pedro no Vaticano era um local de peregrinação e veneração.[14]

[editar]Sobre a benção de objetos

Cquote1.png"Farás com tudo isso óleo para a sagrada unção (...). Tal será o oléo da sagrada unção. Ungirás como ele a tenda de reunião, a arca do Senhor, a mesa e seus acessórios, o candelabro e seus acessórios, o altar dos perfumes (...). Depois que os consagrar eles se tornaram objetos santíssimos, e tudo os que o tocar será consagrado". (Ex 30, 25-28.30).Cquote2.png
Os capítulos 25 a 31 de Êxodo são a enumeração de todos os objetos que Deus manda fazer e reservar para o seu culto, como por exemplo, o incenso, utilizado em rituais desde o Antigo Testamento. Deus manda utilizar estes objetos, bem como exige que sejam"consagrados, bentos ou ungidos" com uma unção especial, mandando fazer o azeite para a unção, sendo esta a base bíblica original nestes grupos religiosos da benção dos objetos e das pessoas consagradas a Deus.

[editar]Perspectiva protestante


As igrejas que praticam a veneração são comumente condenadas ou criticadas pelas religiões protestantes em geral (pois afirmam que a veneração trata-se de adoração) aos Santos e à Virgem Maria. Logo, para os integrantes dessas religiões, o culto de veneração seria considerada como idolatria. Em alguns casos esta acusação provoca atos de intolerância e violência por parte de protestantes[15], como adestruição de esculturas na Holanda[16] e o "Chute na Santa".[17]
Mas, sobre esta questão, os grupos religiosos praticantes da veneração, além de salientar a diferença entre a adoração e a veneração, negam ter qualquer relação com a idolatria, e sustentam que a própria Bíblia oferece exemplos de intercessão (Jer 15, 1), veneração (Josué 7, 6) e confecção de imagens (Ex 25,18-19), também argumentam que idolatria é o culto de adoração que se presta a uma criatura, ou idéias, prestando a ele o culto que só se deve a Deus. A idolatria, para os cristãos, está inclusa nos chamados pecados de superstição. OConcílio de Trento afirmou que "São ímpios os que negam que se devam invocar os santos, que gozam já da eterna felicidade no céu. Os que afirmam que eles não oram pelos homens, os que declaram que este pedido por cada um de nós é idolatria, repugna a palavra de Deus e se opõe a honra de Jesus Cristo, o único mediador entre Deus e os homens".[18]

Confira também:
As melhores respostas para as acusações evangélicas contra a idolatria católica.





Achada base biblica para o comércio misturado com o evangelho



por Helcio B De Almeida, domingo, 14 de agosto de 2011 às 20:57
2 Reis 16:10-14
A idolatria de Acaz
10 Então, o rei Acaz foi a Damasco, a encontrar-se com Tiglate-Pileser, rei da Assíria; e, vendo ali um altar, enviou dele ao sacerdote Urias a planta e o modelo, segundo toda a sua obra.
11 Urias, o sacerdote, edificou um altar segundo tudo o que o rei Acaz tinha ordenado de Damasco; assim o fez o sacerdote Urias, antes que o rei Acaz viesse de Damasco.
12 Vindo, pois, de Damasco o rei, viu o altar, chegou-se a ele e nele sacrificou.
13 Queimou o seu holocausto e a sua oferta de manjares, derramou a sua libação e aspergiu o sangue das suas ofertas pacíficas naquele altar.
14 Porém o altar de bronze, que estava perante o SENHOR, tirou ele de diante da casa, de entre o seu altar e a Casa do SENHOR e o pôs ao lado do seu altar, do lado norte.


3 comentários:

  1. tá cheio de ironia, né antipas? rsrsrsrsrs mas parabéns pelo texto por ter percebido o culto à trindade Nee-Lee-Dong e pela coragem de expor a situação.

    ResponderExcluir
  2. Precisamos ser equilibrados quando postarmos nossa percepção a respeito do que temos vivenciado nestes últimos tempos; precisamos saber distinguir a diferença entre um servo de Deus e um Lobo travestido de cordeiro; o que é que tem seguir alguém que está fundamentado na palavra?
    Esse princípio sempre existiu; a verdade é única e clara: o que você é eu estamos fazendo para não seguir alguém que tem aparência de servo de Deus mais não é! Precisamos deixar de procurar culpados e nós que estamos caminhando lado a lado com essas pessoas, alimentarmos da palavra viva, acolhendo com mansidão, laborando, nos constituindo dela para que Cristo seja formado em nós, para que ganhemos o discernimento e realidade espiritual.
    Deus ao longo dos séculos tem levados homens com dons especiais, não adianta fica aqui agora debatendo a esse respeito; esses homens dons prestarão contas ao Altíssimo. A nós cabe nos constituirmos da verdade para percebermos qual é a motivação e a intenção dessas pessoas, e não embarcar no vento de doutrina e nas suas artimanhas.
    Nós não adoramos Maria, entretanto, facilmente estamos apegados por meio de afeição natural àqueles que julgamos ser espirituais, que se expressam bem na palavra, e que até mesmo tem um bom testemunho familiar e social.
    Por que fazemos isso? Porque ainda não caiu a ficha de que o mesmo Espirito que opera neles eficazmente pode operar em cada um de nós, logico, que não estou aqui fazendo alusão a um viver livre e sem restrição, o princípio da visão que nós temos precisa nos governar; nada nos impede de separar-nos deles quando se fizer necessário pela causa do evangelho, única e exclusivamente, não por causa de ideologia doutrinaria, ou praticas, não! Toda separação é fruto de uma santificação, quando a massa se leveda, então a separação é necessária para a preservação da pureza do evangelho, não sermos um com eles, quando eles se desviam; é consequência. Então nesse assunto aqui somos nós que devemos está mais fundamentados na verdade para identificar um desvio, ainda que o começo seja no Senhor.

    ResponderExcluir
  3. Antipas, você podia postar algo sobre o episódio do envolvimento W. Lee com o comércio, aquela história sobre a criação da DayStar, a fábrica de microônibus, com o dinheiro da igreja, entre outras coisas. Seria interessante pra demonstrar que a história se repete...

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário:

Facebook